quarta-feira, 31 de março de 2021

Acordo China-Irão: algo a temer

 

O Ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi (r), cumprimenta o Ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Mohammad Javad Zarif. (AP / Noel Celis)

 

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Irão disse que o acordo "pode ​​elevar os laços bilaterais a um novo nível estratégico". 

Por David Isaac, World Israel News 

O acordo de cooperação estratégica de 25 anos entre o Irão e a China assinado em 27 de Março proporcionará ao Irão biliões em investimentos chineses em troca do petróleo iraniano. O acordo, ou “Parceria Estratégica Abrangente”, cobre actividades económicas que vão do petróleo à agricultura. 

O Irão também terá acesso à tecnologia militar chinesa. De acordo com o The New York Times, o acordo prevê que a China invista 400 biliões de dólares no Irão durante o período de 25 anos. “O acordo marcou a primeira vez que o Irão assinou um acordo tão longo com uma grande potência mundial”, relata a Associated Press, superando o acordo assinado pelo Irão e pela Rússia em 2001. 

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Irão, Saeed Khatibzadeh, disse na sexta-feira que o acordo é "profundo, multicamadas e de pleno direito" e "pode ​​elevar os laços bilaterais a um novo nível estratégico". Foi assinado pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Mohammad Javad Zarif, e pelo seu homólogo chinês Wang Yi. 

Antes da assinatura, Yi encontrou-se com o presidente iraniano Hassan Rouhani e o enviado especial iraniano encarregado do negócio, Ali Larijani. Os críticos dizem que a nova parceria trará o fim das sanções dos EUA, já que o Irão agora estabeleceu um comprador de petróleo de longo prazo. 

Se o Irão ficar mais uma vez cheio de dinheiro, pode aumentar o seu apoio aos seus representantes terroristas na região. 

O acordo também fortalece a presença da China no Médio Oriente, "onde a China quer ter acesso a energia e matérias-primas, bem como aumentar o seu domínio económico", observa um editorial do Wall Street Journal na terça-feira. 

As ramificações geopolíticas podem ir além do Médio Oriente. O jornal diz: “Os países também formarão um banco chinês-iraniano com o objectivo de fugir do domínio do dólar americano no comércio mundial, infligindo um golpe nas sanções americanas. 

“Romper o controle do dólar sobre o comércio e as finanças globais é um dos principais objectivos da Rússia, China e Irão. A China acredita que a extravagância fiscal dos EUA está a colocar em risco o papel do dólar como moeda de reserva mundial, e eles querem que o yuan chinês o substitua. 

”Outros minimizaram o acordo. Um artigo de opinião da Bloomberg diz: "Apesar de todo o hype iraniano, o acordo não é tanto uma‘ parceria ’, mas uma nota promissória de melhores relações económicas, políticas e comerciais entre os dois países no próximo quarto de século." 

Ele também afirma que em acordos importantes para a China, o presidente Xi Jinping assina o acordo, não o seu ministro dos Negócios Estrangeiros. Já o The Journal diz sobre aqueles que menosprezam acordo: “Não acredite neles. Este é um grande negócio que promove os interesses estratégicos de ambos os lados - às custas dos EUA e da estabilidade no Médio Oriente.”

 


Para notícias diárias sobre a China (e o Eixo do Mal em geral), visite:


Um exemplo do que a China é capaz:


segunda-feira, 29 de março de 2021

Israel inicia produção de spray nasal para matar COVID

 

Desenvolvido por uma bioquímica israelita, o spray nasal antiviral demonstrou matar 99,9% dos vírus. 

Por Yakir Benzion, Unidos Com Israel

Uma empresa israelita começou a produzir um spray nasal "salva-vidas" que mata 99,9% dos vírus e deve estar prontamente disponível para salvar vidas em países onde as vacinas ficarão indisponíveis por meses ou mesmo anos, relatou o Times of Israel esta semana. 

 

Gilly Regev, uma cientista israelita que co-fundou a empresa SaNOtize, usa o novo spray nasal que desenvolveu (Times of Israel).

 

Desenvolvido pela bioquímica israelita Dr.a Gilly Regev, o tratamento revolucionário para vírus - incluindo o coronavírus - é eficaz dois minutos após a administração da dose.

Regev disse ao Times que se o spray estivesse disponível antes, ele poderia ter evitado muitas das fatalidades causadas pela pandemia. 

“Esperamos que nosso spray nasal agora salve muitas vidas de pessoas em países que aguardam a vacina”, disse Regev, que agora mora no Canadá, onde fundou a empresa SaNOtize


 


“O spray será acessível e pode ser usado para prevenção, para proteger de qualquer infecção viral respiratória.” disse Regev. O spray nasal de óxido nítrico (NONS), que está a ser vendido sob a marca Enovid, mata vírus, incluindo os coronavírus, enquanto eles estão no tracto respiratório superior, evitando assim que o vírus se incube e se espalhe para os pulmões. 

Na verdade, o spray demonstrou ser eficaz em laboratório contra uma ampla gama de vírus, disse Regev, acrescentando que é igualmente eficaz com as mutações do coronavírus, como as variantes do Reino Unido e da África do Sul.


Animação médica 3D ainda mostrando a estrutura de um coronavírus (Times of Israel).


“O spray contém um antiviral de amplo espectro que mata todos os vírus e todas as variantes”, disse Regev. 

Regev descreve o Enovid como algo como “equivalente a um desinfectante de mãos, mas para o nariz”. O spray funciona criando uma barreira física nas passagens nasais para deter os vírus, com uma “barreira química” de óxido nítrico, que é conhecida por suas qualidades antimicrobianas.

 

“O óxido nítrico significa que este é um spray especial que não apenas bloqueia os vírus, mas os mata”, disse Regev. 

O Ministério da Saúde de Israel aprovou o Enovid para uso por pessoas com 12 anos ou mais, de modo que possa preencher uma lacuna para adolescentes que ainda não têm 16 anos, a idade mínima para a vacina Pfizer contra coronavírus, que já foi dada a 5,2 milhões de israelitas. 

 

Familiares vestindo equipamentos de segurança visitam um parente na enfermaria de coronavírus do hospital Shaare Zedek em Jerusalém em 3 de Fevereiro de 2021(Times of Israel).
 
 
Israel é o primeiro país onde o spray está pronto para ser vendido, pois já foi aprovado para uso na Nova Zelândia e a aprovação está a ser trabalhada para outros países, incluindo o Reino Unido. 
 
A fábrica, em Ness Ziona, ao sul de Tel Aviv, produzirá 200.000 a 500.000 sprays por mês até Maio, disse Regev ao Times
 
“Depois disto, esperamos chegar à capacidade de um milhão de sprays por mês”, disse Regev, que estudou Bioquímica na Universidade Hebraica de Jerusalém. 
 
“Espero que este produto traga orgulho e empregos para Israel.” Regev admitiu que o sucesso é baseado em testes em laboratórios com uma variedade de vírus vivos, incluindo influenza e SARS-CoV-2, mas um ensaio clínico que foi concluído na semana passada no Reino Unido informado que Enovid pode prevenir a transmissão de COVID- 19, encurtar o seu curso e reduzir a gravidade dos sintomas e danos nas pessoas já infectadas. 
 
 
 
 
 

O spray foi, na verdade, desenvolvido como um medicamento para combater a gripe, antes que a pandemia se declarasse, mas, disse Regev, o processo regulatório retardou-a. “Teoricamente, poderíamos ter distribuído há um ano, mas precisávamos negociar a aprovação regulatória.  
 
Essa é a nossa maior frustração: estamos a tentar 24 horas por dia, 7 dias por semana, durante um ano, trazer o medicamento para o mercado, e isso poderia ter salvado muitas vidas. Acredito que isso teria evitado infecções e, portanto, reduzido as mortes ”.

 

Traduzido de:

 

 COMENTÁRIO

Agora que a vacina obrigatória e o passaporte sanitário se perfilam no horizonte, agora que está instituído que a vacinação em massa, o uso perpétuo de máscaras e os lockdowns são "o novo normal"; agora que o Mundo Livre está de joelhos, que a esquerda usou a "pandemia" para o destruir enquanto a China se tornou a maior super-potência global; agora que os eugenistas como o Bill Gates esfregam as mãos de contentes; é provável que este medicamento seja desacreditado - como foi, por exemplo, a hidroxicloroquina. Visite a nossa secção CORONAVÍRUS.

domingo, 28 de março de 2021

Medieval! Político brasileiro diz que "judeus sacrificam crianças"!

Político brasileiro revive ‘libelo de sangue’ medieval contra judeus 

Um dos políticos mais famosos do Brasil foi alvo de uma queixa criminal apresentada na segunda-feira, informa o The Algemeiner.


 
Libelo de sangue: político brasileiro diz que "judeus sacrificam crianças" 
 
Roberto Jefferson postou um vil libelo antissemita acusando os judeus de sacrifício de crianças. 
 
Por Yakir Benzion, Unidos Com Israel 
 
A comunidade judaica brasileira condenou uma postagem nas redes sociais de um político problemático e disse que apresentaria acusações criminais de ódio contra Roberto Jefferson. Jefferson postou online que “os judeus sacrificam crianças. A História repete-se.” 
 
A Confederação Judaica do Brasil (JCB), que representa a comunidade judaica brasileira de 120.000 membros, chamou a postagem de Jefferson de "uma mensagem abertamente anti-semita" e "uma das formas mais vis" de atacar os judeus, informou a Agência Telegráfica Judaica (JTA) . 
 
“Trata-se de crime de racismo com pena acrescida por ter sido cometido através de uma rede social”, afirmou a Confederação em comunicado divulgado no fim de semana. “Capturas de ecrã e comentários de seguidores, que também podem ser caracterizados como crime, foram preservados para investigação criminal”, acrescentou a Confederação. 
 
Depois de a organização judaica reclamar, Jefferson tweetou que o JCB estava a “fazer palhaçadas”, relatou o JTA.
 
“Andam por aí uns idiotas que fazem questão de gerar tensões. A liderança da Confederação quer sensacionalismo. Idiotas”, tuitou Jefferson antes de a sua conta ser bloqueada. 
 
A declaração ofensiva que Jefferson postou na sua conta no Instagram na sexta-feira foi acompanhada por uma foto do antigo deus fenício Baal segurando uma criança nos braços. 
 
A postagem foi excluída, e uma verificação da conta do Twitter de Jefferson mostrou que ela foi suspensa com o aviso de que a "conta foi retida no Brasil e no mundo todo em resposta a uma demanda legal".
 
O Museu do Holocausto de Curitiba dedicou vários tweets educacionais ao assunto, observando que o texto do tweet de Jefferson é definitivamente antissemita. 
 
“A acusação de crime ritual contra judeus surgiu durante o período medieval. Conhecido como libelo de sangue, é uma das expressões mais terríveis de crueldade e fé cega em toda a História da Humanidade. O mito foi usado como motivação para o assassinato de milhares de judeus”, tuitou o museu no sábado. 
 
Jefferson tem um passado político conturbado manchado por um escândalo de corrupção.
 
Anteriormente banido do Parlamento brasileiro, Jefferson é actualmente presidente do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), mas ele próprio não é membro do Legislativo. 

 

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu visitou o Brasil em 2018, o primeiro primeiro-ministro israelita a fazê-lo. Lá, ele reuniu com o então presidente eleito Jair Bolsonaro para construir laços bilaterais. 
 
O partido PTB de Jefferson tem 12 cadeiras na Câmara dos Deputados parlamentares de 513 cadeiras do Brasil e é um forte apoiante do Bolsonaro, que prometeu transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém.


 

Comunidade judaica denuncia Roberto Jefferson por post antissemita

Historicamente, a falácia antissemita de que os judeus matam crianças é sempre feita próximo à Páscoa judaica.

Por David Aghiarian, Unidos com Israel

Tel Aviv, 21/03/2021

O Presidente Nacional do PTB, Roberto Jefferson, está acusado de antissemitismo pela Confederação Israelita do Brasil (CONIB) e pela Juventude Judaica Organizada (JJO). No último sábado (20), Jefferson escreveu nas redes sociais que os judeus praticam o infanticídio.


 

“Baal, deidade satânica, caananitas e judeus sacrificavam crianças para receber a sua simpatia. Hoje, a história repete-se”, escreveu Roberto Jefferson em post publicado em sua conta no Instagram e apagado posteriormente.

A falácia antissemita de que os judeus assassinam crianças não é uma novidade e tem as suas origens ainda na Grécia antiga, nos textos de Apião. Conhecidas como Libelos de Sangue estas alegações vis, infundadas e mentirosas foram instrumentos historicamente usados para estimular a perseguição e o massacre de milhares de judeus através dos séculos.

Tradicionalmente a alegação falaciosa de que os judeus assassinam crianças sempre vem à tona às vésperas de Pessach, a Páscoa judaica, que será celebrada a partir do próximo dia 26. Desde a Idade Média e principalmente na Europa, a Igreja Católica, ortodoxa e grupos antissemitas acusam os judeus de usarem o sangue de crianças cristãs na fabricação da Matzá, o pão ázimo.

A fabulação antissemita de que os judeus assassinam crianças próximo à festa de Pessach já teve tanto prestígio que no século XVIII foi ela a responsável pela canonização de um dos muitos santos da Igreja Ortodoxa Russa.  De acordo com o Patriarcado de Moscou, São Gabriel de Bialystok, venerado até os dias de hoje, era uma criança de 6 anos do vilarejo de Zwierki que fora assassinada por um judeu durante a festa de Pessach.

Diferente da Igreja Católica Romana, que já renunciou ao discurso conspiratório antissemita, a Igreja Ortodoxa infelizmente defende até os dias de hoje a canonização de São Gabriel de Bialystok. Assim, em pleno século XXI, mantém vivo este Libelo de Sangue.

Através de uma nota, a CONIB disse que irá “preparar uma queixa-crime contra o Sr. Roberto Jefferson, Presidente Nacional do PTB, que divulgou no seu perfil no Instagram mensagem abertamente antissemita evocando uma das formas mais vis de atacar os judeus, o infanticídio”. De acordo com a instituição, a postagem pode ser qualificada como crime de racismo.

“Todo o crime de racismo é repugnante e deve ser punido com o máximo rigor da lei. A História já nos mostrou, da forma mais dura e bárbara, como o racismo e o discurso de ódio são responsáveis pelos episódios mais terríveis da Humanidade”, diz a nota publicada pela Confederação Israelita do Brasil.

Em post publicado nas redes sociais, a Juventude Judaica Organizada (JJO) chama a atenção para o descaso com a luta contra o antissemitismo. De acordo com a instituição a denúncia contra Roberto Jefferson não pode ser qualificada como “vitimismo, mimimi ou exagero” pois historicamente, assim “começaram as maiores perseguições e violência contra judeus”.

“Já passamos por muita coisa e estamos aqui! Não vamos calar -nos mais e muito menos deixar passar ataques com mentiras sobre judeus”, diz um post da JJO que exige um pedido de desculpas de Roberto Jefferson.



COMENTÁRIO

O antigo libelo de sangue diz que os judeus matam crianças cristãs para cozinharem os pães ázimos, a Matzah. Ainda que os judeus tivessem propensão para o canibalismo, a proibição expressa de ingerir sangue (e o horror que os judeus têm a essa prática) bastaria para comprovar que se trata de uma invenção maldosa e absurda.

Nós não somos judeus, mas sabemos que é um hábito comum os judeus convidarem não-judeus para a a celebração de Pessach, a chamada Páscoa judaica, que comemora a libertação do cativeiro no Egipto. 

Aliás, o episódio que os cristãos conhecem como a Última Ceia é um Séder, um jantar festivo de Pessach. Os judeus têm por hábito, desde há séculos, comemorar esta festa de portas abertas, para que os seus concidadãos não-judeus possam constatar que ninguém está a degustar tenras criancinhas.

Saiba mais sobre a festa de Pessach:

Como se celebra:


 

 Explicações técnicas:

  

E aconselhamos o senhor Jefferson a estudar a sua árvore genealógica: 

quinta-feira, 25 de março de 2021

Terrorista de Boulder atacou ‘loja judaica’ depois de jurar lealdade ao ISIS

A administração Biden deu ordens para esconder. Os jornaleiros obedecem com muito gosto.

Para completar a trilogia:

Suspeito do massacre no Colorado identificado - e que enoooorme supresa...

Análise: o atirador de Boulder é simpatizante do ISIS, ataque foi Jihad Islâmica

Boulder, Colorado, EUA - 22 de Março de 2021: polícias na frente da King Soopers - a cena do tiroteio em massa

 

O terrorista que matou dez pessoas durante um tiroteio em massa em Boulder, Colorado na segunda-feira tinha como alvo uma “loja de judeus”, relata o Loomered, citando um relatório publicado pela Understanding the Threat (UTT).  

O promotor distrital do condado de Boulder, Michael Dougherty, afirmou que os investigadores não conseguiram identificar o motivo do atirador, que foi identificado como Ahmad Al Aliwi Alissa, de Arvada, um subúrbio de Denver.  

Alissa nasceu na Síria em 1999. Alissa, que foi colocado na prisão por acusações de assassinato na terça-feira, deve ter a sua primeira aparição no tribunal na quinta-feira, informa a ABC 7.

 


Ahmad Alissa, o assassino em massa de Boulder.

 

Mas a candidata ao Congresso e jornalista investigativa Laura Loomer relatou que uma fonte policial lhe disse que Alissa matou as suas vítimas em nome do ISIS. 
 
Em 7 de Maio de 2019, Alissa postou uma declaração sugerindo que Jesus é um muçulmano nas redes sociais: “Então Maria usa um hijab e Jesus não come carne de porco e ora de joelhos e mãos. São (sic) ambos muçulmanos, é óbvio.” 
 
O Loomered também relatou que o mercado King Soopers, onde ocorreu o massacre, é conhecido como uma “loja judaica” com uma base de clientes maioritariamente judia por causa do grande suprimento de alimentos kosher vendidos lá. 
 
O site da King Soopers até anuncia a mercearia como "O seu balcão único para mantimentos Kosher". A rede também tem lojas listadas na autoridade supervisora ​​Denver Vaad Hakashrus Kosher, que lista lojas que vendem itens kosher
 
“A fonte disse-me que o atirador realizou o ataque em nome do ISIS. A administração Biden já deu ordens para mantê-lo em segredo para evitar conversas na Imprensa sobre o terrorismo islâmico e a reversão da proibição de entradas de terroristas no país, da autoria de Trump, à qual o terrorista se opôs”, escreveu Loomer no seu canal no Telegram
 
“A ironia não me passou despercebida: um islamista radical e membro do ISIS conduziu 25 milhas para chegar a esta loja específica apenas para atirar em todos que estavam à vista. No entanto, nenhum meio de comunicação convencional quer falar sobre o facto de que o local do ataque é uma loja judaica, com uma clientela maioritariamente judia”, acrescentou ela.

 



 
COMENTÁRIO
 
Um terrorista muçulmano vai a uma loja judaica para matar judeus em nome do ISIS e de Alá (que são a mesma coisa, segundo as mais reputadas autoridades islâmicas). Mata 10 pessoas. A Imprensa ESCONDE que ele é muçulmano, que se tratou de jihad e antissemitismo e culpa os "supremacistas brancos". É por isso que cada vez mais gente desliga a TV e a Rádio, não abre o jornal e prefere o Jornalismo cidadão e independente (que dá 10 a zero aos profissionais jornaleiros-propagandeiros-islamizadeiros).

 

Este post fica na nossa secção JORNALISTAS 


Análise: o atirador de Boulder é simpatizante do ISIS, ataque foi Jihad Islâmica

Viu o nosso post?

Suspeito do massacre no Colorado identificado - e que enoooorme supresa...
A rábula macabra segue o seu roteiro de sempre:

 

O massacre foi, na verdade, após um hiato de quatro anos, uma nova incidência da jihad islâmica em solo americano. 

Por Robert Spencer, FrontPage Mag 

Um homem assassinou 10 pessoas num supermercado de Boulder, Colorado, na segunda-feira. Nenhum detalhe foi divulgado imediatamente sobre o atirador, mas os "jornalistas" de esquerda, a partir de uma foto do atirador, aproveitaram o tiroteio para reforçar a sua narrativa do "terrorismo supremacista branco". 

 

Quando viram que o terrorista era um homem Branco, os jornaleiros rejubilaram...


Há apenas um problema: o massacre foi, na verdade, após um hiato de quatro anos, uma nova incidência da jihad islâmica em solo americano. 

Mesmo depois de o nome do atirador ter sido revelado como Ahmad Al Issa (como ele mesmo o escreveu nas suas contas no Facebook e Twitter), os "jornalistas" continuaram a nomeá-lo como "Alissa", que, obviamente, é um primeiro nome comum em mulheres nos EUA, e assim dá a impressão de ser um não muçulmano americano.

Os “jornalistas” estão a tentar esconder o facto de que o terrorista é um imigrante muçulmano simpatizante do ISIS? Claro que sim. 


O terrorista islâmico Al-Issa é nomeado como "Alissa" pelos "jornalistas".

Os "jornalistas" decidiram que o terrorista é um daqueles “extremistas de direita” que são, de acordo com o secretário do DHS, Alejandro Mayorkas, a ameaça “mais letal e persistente” que os EUA enfrentam hoje. 

Julie DiCaro, redactora sénior e editora da Deadspin, twittou: “Extremamente cansada de a vida das pessoas, depender de um homem branco com um AR-15 estar a ter um bom dia ou não.” 

 


 

No momento da redacção deste artigo, terça-feira à tarde, DiCaro não havia retirado o tweet, já que alguns jornalistas-propagandistas, continuam, como um capitão afundando com o seu navio, a insistir que Al Issa é um supremacista branco.

O proeminente profissional do "racismo" Tariq Nasheed twittou: “Os supremacistas brancos estão a tentar ao máximo desviar-se do facto de que o suspeito de Boulder é BRANCO. Os sírios na América são legalmente, politicamente e socialmente BRANCOS". 


 

"A sua condição de brancos é bem documentada em processos judiciais. Termos como 'muçulmano', 'árabe', 'islâmico' não mudam a brancura.” - acrescenta Tariq Nasheed.

Claro que Al Issa é mesmo branco, pois ele é um migrante árabe muçulmano da Síria, e os árabes são considerados “brancos” desde que começaram a chegar aos Estados Unidos. O tweet de Nasheed, no entanto, ainda aponta para a inconsistência e a hipocrisia da esquerda: até este tiroteio, os esquerdistas consideravam os muçulmanos árabes "castanhos", à moda de Linda Sarsour, que memoravelmente se identificou como branca até que ela colocou um hijab e milagrosamente se tornou uma “pessoa negra”

Se o atirador de Boulder fosse um americano branco não muçulmano e as suas vítimas, muçulmanos árabes brancos, Tariq Nasheed estaria a protestar contra a perseguição de pessoas "pardas" nos Estados Unidos.

Sendo o terrorista uma pessoa de pele branca, Nasheed está a tentar desesperadamente sustentar uma narrativa fracassada. A realidade é que Ahmad Al Issa é um muçulmano profundamente religioso com simpatias pró-ISIS

 


O terrorista declarava que "Trump foi eleito porque os americanos são racistas".

 

O terrorista reclamou amargamente sobre a "islamofobia", odiava Donald Trump com intensidade apaixonada e havia explorado igrejas e comícios de Trump como possíveis alvos para seu massacre jihadista. 

 


 A cena do massacre islamista.

 

Tudo isto deixa bem claro que não apenas Ahmad Al Issa não é um “supremacista branco”, mas é uma manifestação viva dos efeitos do esquerdismo na América hoje. 

Depois de migrar da Síria quando criança durante a administração Obama, ele e muitos outros como ele foram inundados com propaganda implacável sobre como ele é vítima de uma sociedade racista e "islamofóbica" que nunca lhe vai dar um tratamento justo, e como está determinado institucionalmente que ele nunca terá sucesso.

Disseram-lhe que Trump odiava os muçulmanos e que os seus seguidores eram precisamente as pessoas que o estavam a reprimir e a negar-lhe o acesso ao privilégio que eles próprios desfrutavam às custas do povo “moreno” que desprezavam.

O Partido Democrata tem alimentado esse tipo de ressentimento e doutrinado os jovens em escolas, faculdades e universidades desde há anos. Ahmad Al Issa é um produto dessa doutrinação. 

Essa pode ser uma das razões pelas quais “jornalistas” esquerdistas e agitadores profissionais como Tariq Nasheed estão tão decididos a deixar claro que este era um atirador “branco” agindo com base no ódio que é intrínseco à cultura americana: para desviar a atenção do facto de que ele não é um produto da cultura americana, mas da subcultura de ódio e ressentimento da esquerda. 

Se tivéssemos um ambiente político são no país hoje, essa é a subcultura odiosa que preocuparia o Departamento de Justiça. Em vez disso, mesmo enquanto os Antifa continuam a transformar o Grande Noroeste num deserto radioactivo, essa subcultura odiosa não está sequer está no radar. E Ahmad Al Issa não vai colocá-la lá. 

 


Robert Spencer é director do Jihad Watch e Shillman Fellow no David Horowitz Freedom Center. É autor de 21 livros, incluindo os bestsellers The Politically Incorrect Guide to Islam (and the Crusades) e The Truth About Muhammad. O seu livro mais recente é Rating America’s Presidents: An America-First Look at Who Is Best, Who Is Overrated, and Who Was An Absolute Disaster. Siga-o no Twitter aqui. E no Facebook aqui.

 


 

Este post fica na nossa secção JORNALISTAS

 

REPETIMOS:

 

 CALMA, NÃO VAMOS TIRAR CONCLUSÕES PRECIPITA...

EEEEEE... FORAM MUÇULMANOS!

 

 
Desde o 11 de Setembro de 2001, o Islão cometeu 38.825 massacres e ataques terroristas (conhecidos). O número de mortos e feridos é astronómico.
 
No mês de Fevereiro de 2021 foram cometidos 165 ataques em nome do Islão (contabilizados) resultando em 731 mortos e 400 feridos graves, em 19 países.

Na semana de 13 a 19 de Março de 2021 foram cometidos 33 ataques (contabilizados), resultando em 208 mortos e 91 feridos graves, em 11 países.

A atrocidade islâmica da semana foi o massacre de 58 "infiéis" na Nigéria:


 
Onde estão o Bloco de Esquerda, as Capazes, o PSOL, o Antifa, o Black Lives Matter?

A efeméride do dia é o massacre  de mais 16 inocentes no Afeganistão, em 23 de Março de 2018:


 
À direita, também no site THE RELIGION OF PEACE, um constante correr de atrocidades islâmicas. Por exemplo, começou ontem em Munique o julgamento de uma alemã convertida ao Islão que amarrou e queimou viva uma menina de 15 anos.
E é assim há 1400 anos, sem parar. Nem o Comunismo, nem o Nazismo, nem o Império Britânico, nem o Genghis Khan, nem o Rei Leopoldo da Bélgica, nem o Pol Pot, nem nenhum desses sanguinários se aproximam da mortandade provocada pelo Islão.
  

ISLÃO: MAIS DE 670 MILHÕES DE MORTOS INOCENTES

COMO O ISLÃO DESTRÓI AS SOCIEDADES

MIL MILHÕES DE MUÇULMANOS QUEREM A LEI ISLÂMICA SHARIA


20 MANDAMENTOS DO ALCORÃO
(E não; o problema não é vir no Alcorão. O problema é eles continuarem a cumprir o Alcorão à risca)
  1. Tu deves estuprar, casar e divorciar meninas na pré-puberdade. Alcorão 65:4, 4:3
  2. Tu deves ter relações sexuais com escravas sexuais e trabalhadoras escravas. Alcorão 4: 3, 4:24, 5:89, 33:50, 58: 3, 70:30
  3. Tu deves bater nas escravas sexuais, nos trabalhadores escravos, e nas esposas. Alcorão 04:34
  4. Tu deves ter quatro testemunhas masculinas muçulmanas para comprovar um estupro. Alcorão 24:13
  5. Tu deves matar aqueles que insultam o Islão ou Maomé. Alcorão 33:57
  6. Tu deves crucificar e amputar não-muçulmanos. Alcorão 5:33, 8:12, 47: 4
  7. Tu deves matar os não-muçulmanos para garantir receber as 72 virgens no céu. Alcorão 9: 111
  8. Tu deves matar quem deixar o Islão.Alcorão 2: 217, 4:89
  9. Tu deves decapitar não-muçulmanos. Alcorão 8:12, 47: 4
  10. Tu deves matar e morrer por Alá. Alcorão 9: 5
  11. Tu deves aterrorizar os não-muçulmanos. Alcorão 8:12, 8:60
  12. Tu deves roubar e furtar os não-muçulmanos. Alcorão Capítulo 8 (Saque / Espólios de Guerra)
  13. Tu deves mentir para fortalecer o Islão.Alcorão 3:28, 16: 106
  14. Tu deves lutar contra os não-muçulmanos, mesmo que você não queira. Alcorão 2: 216
  15. Tu NÃO deves tomar os não-muçulmanos como amigos. Alcorão 05:51
  16. Tu deves chamar os não-muçulmanos de porcos e macacos. Alcorão 5:60, 7: 166, 16: 106
  17. Tu deves tratar os não-muçulmanos como as criaturas mais vis, que não merecem misericórdia. Alcorão 98: 6
  18. Tu deves tratar os não-muçulmanos como inimigos jurados. Alcorão 4: 101
  19. Tu deves matar os não-muçulmanos por não se converterem ao Islão. Alcorão 09:29
  20. Tu deves extorquir não-muçulmanos para manter o Islão forte. Alcorão 09:29.

 

Mas o problema parece ser a "islamofobia" e a "extrema-direita":



NÃO EXISTE ISLÃO RADICAL.




SÓ EXISTE UM ISLÃO:


 

A notícia também saiu no World Israel News. Um dos mortos é agente da Polícia (a "bosta da bófia", como diz o Sultão Mamadou I, autoridade máxima do Estado Português) deixa viúva e 7 filhos menores. 

Se não consegue sentir patriotismo e pensar no seu país, pense pelo menos nos seus filhos e nos seus netos e assine a petição:

Von Der Leyen ameaça cortar víveres aos italianos (VÍDEO)

  Von Der Leyen ameaça cortar víveres aos italianos se votarem mal: “Veremos o resultado da votação na Itália. Se as coisas forem numa dire...