terça-feira, 29 de março de 2022

Bill Gates, Fauci e Big Pharma acusados de genocídio em processo judicial! - 3 (conclusão)

Bill Gates, Fauci e Big Pharma acusados de genocídio em processo judicial! - 1


Bill Gates, Fauci e Big Pharma acusados de genocídio em processo judicial! - 2 

 


Anthony Fauci nunca examinou um único doente na sua vida. É um médico com 100% de sucesso. E um psicopata sádico.

 

Yeadon prossegue com a sua conclusão: “Este sistema (passaportes obrigatórios de vacinas) está a ser implementado usando mentiras, e está a ser implementado com algum propósito, acredito que esse objectivo é o controle totalitário completo e acho que o objectivo de tudo isto é o despovoamento em massa.”

A Fuellmich faz um excelente trabalho em expor as ações de Klaus Schwab e do Fórum Económico Mundial, WEF, também conhecido como Davos. O WEF tem como objetivo o estabelecimento de uma Nova Ordem Mundial, com o globo a ser dirigido por tecnocratas auto-selecionados, como Bill Gates, ele mesmo e outros membros de Davos.

 

Schwab fundou em 1971 o que viria a ser o WEF em 1987. Tem 1.000 membros. Em geral, a qualificação exige que uma empresa tenha mais de 5 biliões de dólares por ano em receita. O tema do WEF e Klaus Schwab foi recentemente “O Grande Reset”. O que significa essencialmente uma nova ordem mundial.

 

O próprio Schwab resume a Reunião de Davos de 2017 com a seguinte declaração: 

“Que oportunidade maravilhosa de concluir a nossa semana aqui com propostas e ideias tão concretas de como podemos criar uma Nova Ordem Mundial”.

 


 Klaus Schwab

 

O Fórum Económico Mundial vê tempos de grandes convulsões ou desastres como chances ideais para implementar essa redefinição, como durante a crise financeira de 2008 e agora a pandemia de COVID-19, que o Dr. Reiner Fuellmich acredita ter criada uma excelente oportunidade para o WEF executar seu plano. 

Fuellmich, um advogado de renome mundial, refere-se a Schwab e aos seus capangas coletivamente como “Sr. Global”. 

 


No seu site, o Doutor Fuellmich  apresenta as provas científicas de que o Covid-19 é um CRIME CONTRA A HUMANIDADE.

 

Fuellmich e Oehler descrevem uma série de marionetes que o Fórum Económico Mundial treinou para ajudar a realizar essas missões no âmbito do programa “Jovem Líder Global”, que começou em 1993. 

Essas pessoas tornaram-se presidentes, primeiros-ministros e CEOs. Estes incluem alguns dos principais intervenientes neste esforço de pandemia e vacinação:

 


 

Bill Gates, fundador da Microsoft (1993)   
Gavin NewsomGovernador da Califórnia  (seleccionado em 2005)  
Pete Buttigieg (seleccionado em 2019, candidato a presidente dos EUA em 2020, secretário dos transportes dos EUA desde 2021)  
Stéphane Bancel (CEO da Moderna; seleccionado em 2009) 
O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg (2009) 
Sheryl Sandberg, COO do Facebook (2007)  
Os c-ofundadores do Google. Sergey Brin e Larry Page (2002/2005)  
A personalidade do Covid no Twitter Eric Feigl-Ding (um 'WEF Global Shaper' desde 2013)  
A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern (desde 2017, seleccionada em 2014) 

O Ministro da Saúde australiano Greg Hunt (seleccionado em 2003; ex-director de estratégia do WEF) 

A vice-primeira-ministra canadiana Chrystia Freeland (selecionada em 2001; ex-directora da Reuters) 

O primeiro-ministro canadiano Justin Trudeau é participante do FEM, mas não é um jovem líder global confirmado 

A chanceler alemã Angela Merkel (seleccionada em 1993, 12 anos antes de se tornar chanceler) 
O actual ministro da Saúde alemão Jens Spahn e os ex-ministros da Saúde Philipp Roesler e Daniel Bahr
Os Presidentes da Comissão da UE, José Manuel Durão Barroso (2004-2014, seleccionado em 1993) e Jean-Claude Juncker (2014-2019, seleccionado em 1995)  
O Presidente francês Emanuel Macron (desde 2017, seleccionado em 2016)
O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy (2007-2012, seleccionado em 1993) 
O Chanceler austríaco Sebastian Kurz  
O ex-primeiro-ministro italiano Matteo Renzi (2014-2016, selecionado em 2012) 
O ex-primeiro-ministro espanhol José Maria Aznar (1996-2004, selecionado em 1993)  
O Dr Rajiv Shah, Presidente da Fundação Rockefeller 


À medida que vislumbramos os duros bloqueios autoritários e obrigatórios da Austrália, Áustria e Canadá, provavelmente começa a fazer mais sentido quando levamos em consideração os nomes que fazem parte do programa de Liderança Global Jovem do WEF.

O tratamento por “vacinação” causou a morte de muitos, bem como ferimentos e danos graves (incluindo incapacidade e paralisia) após a administração da vacina.

O que está a ser levado a cabo é uma experiência médica genética em seres humanos, realizada sem consentimento informado, uma ofensa grave e flagrante do Código de Nuremberga. 
Existe a obrigação legal de considerar tratamentos alternativos, incluindo os riscos e benefícios de tais alternativas. Os tratamentos alternativos provaram ser "seguros e eficazes com uma taxa de sucesso de até 100%".



O Doutor Pierre Kory, defensor da Ivermectina, tem visto o nome arrastado pela lama. Autoridades cientíticas do quilate da Men's Health, têm-no ridicularizado e acusado de querer tratar as pessoas com "medicamentos para cavalos".



Como de costume, Pierre Kory tem razão. Os jovens de hoje tornar-se-ão idosos. Eles vão lembrar as suas sociedades dos julgamentos de Nuremberga II de hoje e de como eles ajudaram a impedir a maior operação fraudulenta já executado no mundo. É hora de acabar com os bloqueios, os mandatos de vacinação, a censura e a desinformação.

As agências de notícias vão retomar a documentação de notícias reais e descontinuar o medo. Os repórteres retornarão ao que fazem satisfatoriamente – reportagem investigativa razoável. E o Tribunal Penal Internacional certamente continuará com o que faz de melhor – trazendo assassinos em massa e a sangue frio à Justiça.


Estamos todos a lidar com megalomaníacos e sociopatas, aqueles que não têm consciência. As suas principais características incluem a ausência de compaixão e espiritualidade, pois isso esta tornou-se uma luta épica entre o certo e o errado, entre humanidade e desumanidade.

GLOBAL NEWS


- FIM -



Visite a nossa secção CORONAVÍRUS





Como acontece sempre que as sociedades Ocidentais enfrentam crises, o antissemitismo cresce. É uma cortina de fumo ideal para o Fórum Económico Mundial e o seu programa de "Grande Reset" poderem operar ainda mais à vontade.

sábado, 26 de março de 2022

Bill Gates, Fauci e Big Pharma acusados de genocídio em processo judicial! - 2

 

Bill Gates, Fauci e Big Pharma acusados de genocídio em processo judicial! - 1

 


Bill Gates factura 200 BILIÕES com a "vacina" e queixa-se de que a vida está má para todos... 
 

As “vacinas” Covid-19 não atendem ao requisito de serem categorizadas como vacinas e são, de facto, terapia genética (Apêndice 8)…O Dr. Mike Yeadon, um co-requerente neste pedido, afirma que chamar às injeções Covid-19 de “vacina” é manipulação pública e deturpação do tratamento clínico.

“Não é uma vacina. Não está a parar a infecção. Não é um dispositivo de bloqueio da transmissão. É um meio pelo qual o corpo é solicitado a produzir uma toxina e supostamente o corpo de alguma forma deve acostumar-se a lidar com ela, mas ao contrário de uma vacina, que é planeada para desencadear a resposta imune, esta é para desencadear a criação da toxina.'


Foi mencionado pelo Dr. Yeadon, numa entrevista, que as nossas autoridades exageraram grosseiramente toda a ameaça do COVID-19. Ele observa que o COVID-19 representa um risco ligeiramente maior do que a gripe para os maiores de 70 anos, mas um risco muito menor do que a gripe sazonal para os mais jovens.   


Doutor Michael Yeadon, mais um que passou de cientista emérito a proscrito pelos media, pelo crime de dizer verdades cientificamente comprovadas..

 

O Dr. Michael Yeadon (que pelo apelido parece ser judeu, mas para nós poderia ser de qualquer outra etnia/religião/"raça", etc., pois essas coisas são-nos INDIFERENTES) aparece aqui a testemunhar perante o Tribunal Rabínico de Israel, defendendo que não se deve vacinar as crianças:

 


Visto que este vírus representa, na pior das hipóteses, um risco um pouco maior para os idosos e doentes do que a gripe, e um risco menor para quase todos os outros, jovens e em forma, NUNCA foi NECESSÁRIO que tivéssemos feito nada.


Não havia necessidade de fazer nada, bloqueios, máscaras, testes em massa, vacinas – existem vários medicamentos terapêuticos que são pelo menos tão eficazes que as vacinas… 

Um medicamento não patenteado chamado Ivermectina, um dos medicamentos mais usados no mundo, também é capaz de reduzir os sintomas em qualquer estágio da doença, incluindo a letalidade, em cerca de 90%.


Portanto, estas vacinas não são necessárias nem nenhuma das medidas que foram introduzidas”, concluiu Yeadon.


Yeadon continua, explicando que as pessoas não precisam de se preocupar com variantes. Ele explica que o nosso sistema imunológico é facilmente capaz de lidar com TODAS as mutações do SARS-CoV-2 e explica que 18 anos após o primeiro SARS, essas pessoas ainda estão protegidas pela sua imunidade – e essa imunidade estende-se até à imunidade contra o SARS-CoV -2, um vírus 80% semelhante, mas 20% diferente do SARS original.


O ponto principal de Yeadon é que, se os sobreviventes da SARS, cerca de 18 anos depois, tiverem imunidade contra o novo vírus, que é 20% diferente, porque deveríamos acreditar que um mutante viral actual apenas 0,3% diferente seria uma ameaça?


“Então, quando os cientistas do seu governo dizem que uma variante 0,3% diferente da SARS pode passar por um novo vírus e ser uma ameaça à saúde, devemos saber, e estou a dizer-vos, que ELES ESTÃO A MENTIR. Se eles estão a mentir- e estão! - porque é que a indústria farmacêutica está a fabricar vacinas de reposição? Eles estão a fazê-lo”, disse Yeadon.

 

GLOBAL NEWS


- CONTINUA -



Visite a nossa secção CORONAVÍRUS




COMENTÁRIO



Há mais de dois anos que as televisões martelam incessantemente aldrabices covideiras. 
Há mais de dois anos que em cada artigo na Internet que dê voz a quem discorde do pânico covideiro, leva com a habitual etiqueta da Direcção Geral de Saúde e acaba por ser CENSURADO.  
Há mais de dois anos que os cientistas que denunciam a farsa global do Covid são "queimados" pelos media, têm a reputação destruída e aparecem mortos de forma misteriosa.

Imagine se as televisões, em vez de darem voz a especialistas na migração das sardinhas e outros avençados da Octapharma, dessem voz a cientistas que receberam o Prémio Nobel?

 


Michael Levitt, vencedor do Prémio Nobel de Química, acredita que o COVID-19 acabará por deixar de ser visto como uma doença terrível e que os bloqueios “podem não ter sido necessários”. 

 

Bom, este é judeu, por isso é evidentemente um farsante e um lagarto espacial reptiliano a soldo do governo secreto do Centro da Terra, mas há outros que são seres humanos propriamente ditos e dizem o mesmo:




Luc Montagnier, que ganhou o Prémio Nobel pela sua participação na descoberta do HIV, disse no ano passado que acredita que o coronavírus foi criado num laboratório chinês. 


Tal como Michael Yeadon e tantas outras autoridades científicas, estes dois insignificantes cientistas também são sistematicamente desancados pela matilha jornaleira.

 

 

Porque quem percebe de Medicina e de Virologia são o Portas e o Marques Mendes, tal como o Professor Martelo, o Durão Barroso, o Guterres e todos os excelentíssimos membros do Clube Bilderberg, do Clube de Roma e de outras distintas organizações eugenistas. Ganda nóia!

sexta-feira, 25 de março de 2022

Bill Gates, Fauci e Big Pharma acusados de genocídio em processo judicial! - 1

 

 

Em 6 de Dezembro, o Tribunal Penal Internacional recebeu uma queixa de 46 páginas, na qual um advogado intrépido e sete cidadãos acusaram Anthony Fauci, Peter Daszak, Williams Gates ll e outros doze indivíduos de inúmeras violações do código de Nuremberga. A queixa  vários crimes contra a Humanidade, conforme definido pelos Estatutos de Roma, Artigo 6,7,8, 15,21 e 53 

Além dos 4 figurões, outros 12 foram mencionados, incluindo os CEOs da principal corporação de vacinas e os líderes responsáveis pela saúde no Reino Unido.

 

Albert Bourla, CEO da Pfizer

Stephane Bancel, CEO da Moderna

Pascal Soriot, CEO da Astra Zeneca

Alex Gorsky, CEO da Johnson & Johnson

Tedros Adhanhom Ghebreyesus, Director-Geral da OMS

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido

Christopher Whitty, conselheiro médico-chefe do Reino Unido

Matthew Hancock, ex-secretário de Estado da Saúde e Assistência Social do Reino Unido

Sajid Javid, actual Secretário de Estado da Saúde e Assistência Social do Reino Unido

June Raine, Directora Executiva de Medicamentos e Produtos de Saúde do Reino Unido

Dr Rajiv Shah, Presidente da Fundação Rockefeller

Klaus Schwab, presidente do Fórum Económico Mundial.

 

Um alemão cruel e inteligente, talvez diabólico, Klaus Schwab, com doutoramento duplo em Economia e Engenharia, é o fundador do Fórum Económico Mundial, um clube que reúne a minoria mais rica da elite corporativa e política do mundo.  

Ele é um influenciador do poder, que preparou muitos presidentes, primeiros-ministros e CEOs de tecnologia que agora o admiram com lealdade inabalável.

Schwab, um tecnocrata e economista que fez amizades influentes muitas nações, principalmente com o chinês Xi Jinping, fez um discurso importante em Davos. Ele elogiou a sua visão de uma Nova Ordem Mundial. Em 25 de Janeiro de 2021, Klaus Schwab prometeu o seu apoio a Xi Jinping com estas palavras: 

“Senhor presidente (Xi Jinping), acredito que este é o melhor momento para redefinirmos as nossas políticas e trabalharmos de mãos dadas por um mundo confortável e rico. Todos damos as boas-vindas agora, a Sua Excelência, Xi Jinping, Presidente da República Popular da China”. 


Klaus Schwab


Schwab é considerado por muitos como o cérebro por trás do movimento actual em direcção à criptomoeda, à identificação universal e a um governo mundial (fascista) a ser executado em conjunto, de maneira totalitária, com a China. 


Após as atrocidades nazis cometidas durante a Segunda Guerra Mundial, os julgamentos de crimes de guerra foram realizados em Nuremberga, Alemanha. Em consequência disso, desenvolveu-se um conjunto de teorias que levaram ao desenvolvimento do Código de Nuremberga. 

Essas doutrinas implicam que ninguém, incluindo o Chefe de Estado, está acima da Lei, e mesmo que a Lei do seu país permita alguma conduta, essa circunstância não isenta a pessoa da Justiça, sob o Direito Internacional. 

Mais especificamente, as experiências médicas conduzidas pelos médicos nazis levaram a restrições estritas e princípios éticos em relação a futuros testes científicos em humanos, incluindo a doutrina do consentimento informado necessário e liberdade de coerção ou ameaça na submissão a drogas experimentais. 

Sempre que uma receita médica é aprovada, somos notificados dos riscos potenciais numa bula e geralmente discutimos com o Farmacêutico. 

As vacinas não deveriam ser diferentes, mas são. Uma pessoa prestes a receber a injeção raramente é informada de que há riscos de coágulos sanguíneos, sangramento, trombose cerebral, miocardite e morte, mas esses riscos existem. 

Um princípio-chave do Código de Nuremberga exige que um cientista esteja preparado para encerrar a experiência em qualquer estágio, se ele tiver uma causa provável para acreditar, no exercício da boa-fé, habilidade superior e julgamento cuidadoso exigido dele, que uma continuação da experiência é susceptível de resultar em lesão, incapacidade ou morte para o sujeito experimental. 

Lembremo-nos de que os médicos nazis realizaram experiências em seres humanos em campos de concentração sem consentimento informado, levando a sofrimento e morte horríveis. 

Como resultado directo da experiência de Nuremberga na Segunda Guerra Mundial, as Nações Unidas pediram à Comissão de Direito Internacional que desenvolvesse os Princípios de Nuremberga, os princípios padrão para evitar as atrocidades dos médicos nazis. 

Infelizmente, como apontou Hannah Rose, muitos desses dez princípios do Código de Nuremberga foram sistematicamente violados pelo Reino Unido e por muitos outros países durante a pandemia do COVID-19.

 

GLOBAL NEWS


- CONTINUA -



Visite a nossa secção CORONAVÍRUS

quinta-feira, 24 de março de 2022

VÍDEO: "Palestinos" celebram atrocidades de Putin e ameaçam mulheres ucranianas




Música "palestina" elogia as atrocidades de Putin e ameaça mulheres ucranianas

Porque é que os "palestinos" estão a elogiar as atrocidades repreensíveis de Vladimir Putin e a perseguição ao povo ucraniano? A resposta não surpreendende.

O cantor neste vídeo canta uma música vil encorajando o presidente russo Vladimir Putin a intensificar os ataques e a banir o povo ucraniano para que os "palestinos" possam “casar” com mulheres ucranianas.

A música também encoraja a China a invadir Taiwan “para esmagar o nariz dos americanos”, já que eles fabricam “aviões de guerra israelitas”.

O mundo está a prestar atenção ao que os "palestinos" estão a dizer?

 

Canção tocada em casamento "palestino" estimula Putin a aumentar ataques e banir ucranianos para que "palestinos" possam casar com mulheres ucranianas; Encoraja a China a invadir Taiwan “para esmagar o nariz dos americanos” #Palestinians #Russia #Ukraine pic.twitter.com/4ZtCg78G3X

— MEMRI (@MEMRIReports) March 14, 2022


 

UNITED WITH ISRAEL

Também em Português

 

Nos largos milhares de posts que já fizemos, mostrámos vídeos de invasores islâmicos e plena Europa a pedirem as nossas  mães, esposas, filhas e netas, como "despojos de guerra" (veja, por exemplo, a nossa secção MULHERES). Mostrámos os imãs a encorajarem à jihad sexual no Mundo Livre. Mostrámos tanta coisa e muitíssimo mais ficou por mostrar.
A extrema-esquerda que domina o Youtube (e não só) retira todos os vídeos que mostram a realidade do Islão. 
Porque a extrema-esquerda apoia a invasão islâmica do Mundo Livre, como arma para a nova "Revolução Proletária", tudo o que mostra a natureza criminosa e demoníaca do Islão é censurado.

E muitas pessoas, mesmo tendo acesso à verdade, preferem enfiar a cabeça na areia. 
É um profundo equívoco acreditar-se que todas as culturas são iguais ou que se equivalem moralmente. Existem, basicamente, sociedades primitivas, bárbaras e civilizadas. O Islão é barbárie. O que entre nós, gente civilizada, é crime (a escravatura sexual e a escravatura em geral, por exemplo) é a norma nas sociedades islâmicas.

Um dos grandes mobiles da jihad (a guerra santa do Islão) é precisamente o desejo dos jovens combatentes de possuírem muitas escravas sexuais.

No mundo civilizado, por muitíssimo menos, destroem-se (E BEM!!!) carreiras e reputações. Foi o caso do Arthur do Vale, youtuber brasileiro que foi fazer uma operação de auto-propaganda à Ucrânia e agora está a contas com a Justiça e indignou o Brasil e o Mundo, porque disse que "as ucranias são fáceis porque são pobres": 



Agora tome bem atenção:

Não se permite isto a um habitante do mundo civilizado (E MUITO BEM!!!); mas permite-se que os muçulmanos pratiquem a escravatura sexual. 

O raciocínio subjacente a este duplo-padrão é que os muçulmanos merecem "desconto", porque são uma espécie de "bons selvagens", que não conseguem cumprir os mesmos padrões morais que nós. Não deixa de ser uma forma de discriminação e um rematado cinismo!

Os invasores muçulmanos chegam ao Mundo Livre e em vez de se sentirem gratos por nós os sustentarmos e lhes darmos Liberdade, vêem-nos como fracos e decadentes. Odeiam a nossa Liberdade, que lhes parece um insulto à moral e aos bons costumes ditados por Maomé. 
Por isso, perante a  visão de tantas mulheres sem guarda masculino e sem véu ou burqa, a primeira coisa que lhes ocorre é fazer delas escravas sexuais; daí a presente epidemia de estupro islâmico na Europa.

Para além do factor escravatura sexual - sempre fundamental na ideologia islâmica - os muçulmanos também apoiam Putin porque o Islão cultua a Força e o Poder, ao passo que nós cultuamos a Liberdade e a Justiça.

(Não, eles não são como nós. Não, as culturas não são todas iguais. Sim, há culturas melhores que outras. Sim, a civilização judaico-cristã e greco-romana é melhor que a barbária islâmica.)

A terceira razão para o apoio islâmico a Putin, é que a Rússia é o principal financiador e fornecedor de armas aos governos islamistas e aos grupos terroristas islâmicos. 

Putin não é antissemita (foi praticamente criado por judeus e manteve essa gratidão, honra lhe seja), mas negócios são negócios, e regimes como o Irão ou a Síria, mais os grupos terroristas apensos, que visam, todos eles, os judeus, são armados pela Rússia.

 

Aqui temos a cidade de Kiev, na Ucrânia, com as lindas mulheres que o Arthur do Val queria "engatar" e que os maometanos querem para os seus haréns:



Visite:




Mais 4 judeus assassinados, mais 10 órfãos...



Quatro pessoas foram mortas à facada por um árabe-israelita num ataque terrorista em Beersheba na terça-feira: Doris Yahbas, 49, mãe de três filhos, Laura Yitzhak, 43, que também é mãe de três filhos, Rabi Moshe Kravitzky, pai de quatro filhos, e Menachem Yehezkel, 67, irmão de quatro.





Mohammad Ghaleb Abu al-Qi'an, 34 anos.


A celebração da matança:




O veredicto da Comunidade Internacional:

"Continuem a deixar-se matar. Cedam a todas as pretensões dos colonos árabes. Deem mais território aos colonos árabes".

 

Israel, a encarnado, a "potência imperialista" que ocupa 0,4% do Médio Oriente:

 


Porque 99,6% não chegam, quando o ódio aos judeus é a única razão para viver. 

 

Tamanho de Israel (Estado nativo, cuja História está em grande parte registada no Livro mais popular de todos os tempos) comparado com o Estado colonial australiano, erguido sobre o genocídio  dos povos nativos:

 


A Austrália, como todos os países do mundo, acha-se no direito de mandar em Israel, de decidir que Israel deve dar o poder aos bárbaros e terroristas que vemos em acção no vídeo acima, e deixar-se massacrar paulatinamente.

 

quarta-feira, 23 de março de 2022

"António Costa espalhou a propaganda do Kremlin na União Europeia?" - TOTALNEWS

Esta postagem fica arquivada na secção TOTALNEWS

 

Espião de Putin no gabinete do primeiro-ministro de Portugal: Como António Costa espalhou a propaganda do Kremlin na União Europeia?

 


Por João Lemos Esteves - TNA

O mundo, e em particular a Europa, ouviu o presidente do Governo português, António Costa, discursar na Cúpula Empresarial Ibero-Americana. Diplomatas europeus e até latino-americanos ficaram impressionados com a intervenção de António Costa. Alguns riram ouvindo as alucinações do chefe de governo português. Outros ficaram surpresos com a irresponsabilidade sem precedentes de um chefe de governo de qualquer país, muito menos um Estado-Membro da União Europeia e um aliado da OTAN. 

Então, o que é que António Costa disse? Que a Europa deve acelerar, criar um mecanismo mais rápido para aprovar a vacina russa sputnik V contra o Covid-19, bem como o SINOPHARM chinês. 

Um meio de comunicação português chegou a escrever, seguindo as diretrizes do gabinete do primeiro-ministro (como sempre acontece em Portugal, onde a liberdade de imprensa e de pensamento diminui a cada dia que passa, num processo semelhante ao da Rússia de Putin), que "Costa está a pressionar pela aprovação europeia da vacina russa". 

Portugal era, portanto, uma voz praticamente isolada na Europa exigindo a rápida aprovação da vacina SPUTNIK V do regime de Putin. Quem estava com António Costa em defesa do RUSSO SPUTNIK V? Apenas os fantoches mais ou menos declarados do regime de Vladimir Putin na Europa. A diplomacia europeia – assim como vários líderes políticos transatlânticos – ficou absolutamente surpresa com tais declarações fora de sintonia com a mínima lucidez política por parte do primeiro-ministro de Portugal.

Além disso, num momento em que a Europa identificou o problema da interferência russa no processo político democrático em vários países da Europa Central e Oriental (especialmente), organizando, directa ou indirectamente, ataques cibernéticos contra os EUA e países europeus, Putin elevou o tom na sua retórica anti-OTAN. 

Sem esquecer que os serviços secretos de informações da OTAN havia identificado vários vazamentos de informações confidenciais, a partir do sul da Europa, que comprometeram a segurança das operações militares da Aliança Atlântica, bem como a própria integridade das instalações da OTAN na Europa. 

A maioria dessas informações chegou ao Kremlin: umas vezes directamente; outras indirectamente, gerenciando grupos financiados pelo Kremlin. Logo depois, grupos de extrema-direita e de extrema-esquerda em Roma planeavam ataques às instalações da OTAN que, felizmente, foram capazes de ser neutralizados no devido tempo. 

Agora, a aprovação da vacina SPUTNIK V foi uma parte fundamental da propaganda do regime de Putin para ganhar influência no contexto europeu e eventualmente usá-la contra os EUA, criando uma narrativa (que agora está tentando, no contexto atual da invasão contra a Ucrânia por si ordenada, inventar) do crescente isolamento internacional dos EUA. 

Isso foi pensado para condicionar as ações do presidente Joe Biden, que tinha acabado de tomar posse como líder do mundo livre, e para aproveitar o acordo que tinha acabado de ser assinado, por iniciativa de Angela Merkel, com a China.

Assim, o Pacto China-Rússia desenvolver-se-ia dentro da União Europeia: assim, Putin e Xi Jinping encurralaram os Estados Unidos e os Estados europeus, reduzindo o escopo das suas opções geopolíticas. 

Não surpreende que uma breve visita às agências de notícias russas – especialmente a SPUTNIK e a RT – mostre que a pressão sobre os reguladores europeus e latino-americanos (os dois blocos representados na conferência em que o primeiro-ministro português António Costa falou) foi uma peça central, repetida várias vezes pela propaganda oficial do regime autoritário de Vladimir Putin. 

Agora, o primeiro-ministro português, sem qualquer vergonha, limitou-se a reproduzir os argumentos, o tom e as prioridades da propaganda do regime de Vladimir Putin. Como um meio de comunicação próximo ao primeiro-ministro português e do seu gabinete escreveram: "Costa está a pressionar pela aprovação na Europa da vacina russa". 

O governo português foi mais longe na defesa da Rússia e de Putin do que o regime russo já havia feito no meio de uma Europa unida... Vale lembrar também que António Costa, quando reproduziu o argumento central da propaganda russa, não era apenas o primeiro-ministro de Portugal, mas também presidente do Conselho Europeu em exercício.

Quase um ano depois, esta defesa de uma peça-chave da propaganda de Vladimir Putin e seu regime pelo primeiro-ministro de Portugal António Costa deve ser analisada com ainda mais atenção e zelo. 

Isso porque já é público e inegável que o gabinete do PM de Portugal – e hoje, o centro de coordenação de todo o Governo, que é a Presidência do Conselho de Ministros, através do qual todas as informações do Estado passa – tem um espião ao serviço da Rússia de Vladimir Putin. 

Daí surge uma pergunta inevitável: quando António Costa defendeu a vacina russa SPUTNIK V e a sua aprovação na União Europeia (contra todas as opiniões científicas e cálculos geopolíticos razoáveis), ele estava a repetir as informações enviadas por Alexandre Guerreiro? Das pessoas próximas a António Costa que protegem Alexandre Guerreiro ao serviço dos interesses russos de Putin? E Alexandre Guerreiro impôs ao primeiro-ministro de Portugal um discurso encomendado pelo Kremlin, quando visitou Moscovo ou quando foi convidado para os institutos políticos do Kremlin? 

Foi Alexandre Guerreiro quem lhe apresentou as "opiniões legais" (vamos chamá-lo assim) para que António Costa defendesse o indefensável, quase porta-voz da propaganda russa, na cúpula ibero-americana? 

Como se pode ver, Alexandre Guerreiro não era, nunca foi, não é, um mero funcionário discreto, irrelevante para o Governo português – pelo contrário, Alexandre Guerreiro, homem de Putin em Portugal (com o seu "pai", Boaventura Sousa Santos, um dos homens mais perigosos do mundo) está no centro das decisões políticas do governo português. 

Alexandre Guerreiro – e, portanto, o Kremlin – tem sua marca em muitas das decisões diplomáticas e de defesa de Portugal, graças ao peso que António Costa e seu grupo deram a Alexandre Guerreiro e Boaventura Sousa Santos. É uma ameaça aos direitos e liberdades dos cidadãos portugueses, e é uma vergonha indescritível para o Estado português, que o povo português, e mesmo os seus  militares, não merecem. OTAN – o mundo livre! – Não podemos ficar à mercê disto.

Há um ano, as palavras de António Costa – ou Putin, através de Alexandre Guerreiro/Boaventura Sousa Santos? – geraram o riso dos seus homólogos europeus. Outros – diplomatas, veteranos da análise da geopolítica em ambos os lados do Atlântico – preferiram permanecer atordoados e completamente sem palavras. Outros, mais sofisticados neste tipo de operação, preferem outro caminho: determinar a extensão da influência de Alexandre Guerreiro e seu grupo a serviço do Kremlin e seus aliados (principalmente o eixo China-Irão-Venezuela) no governo português, especialmente no gabinete do PM António Costa e ,especialmente em questões relacionadas com a OTAN. E tomar as medidas necessárias e ajustadas...


Traduzido de:



 

 

Nota -  não fazíamos ideia de quem era Alexandre Guerreiro, nunca ouvíramos falar, nem percebemos nada de espionagem; presumimos que seja este senhor que aparece aqui a debater com José Milhazes: 

Felipe Neto recomenda SODOMIA

  Olavo de Carvalho avisou - é atrás das crianças que eles andam! Felipe Neto, o ídolo da juventude, o queridinho do Sistema, o modelo para ...