quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

Michelle Obama eleita "A Mulher Mais Admirada" pelo 3º ano consecutivo


Diz-nos o BREITBART, e o WINDS OF JIHAD comenta. Com imagens.

Realmente é admirável! A Michelle rema tão bem, que o Barack Hussein nem precisa de remar:

 

 

Com um cabedal destes, não admira que o Barack Hussein de vez em quando se engane e chame "Michael" à Patroa:

"O Michael e eu" - diz o Barack Hussein:

 Visite a nossa secção OBAMA, que há lá mais e melhor!

Em compensação, Melania Trump (talvez por não saber remar com força, ou porque o marido não a trata por "Melânio"), é arrastada pela lama, é escarnecida, é vilipendiada há 4 anos. 
As mulheres de esquerda, muçulmanas, lésbicas, transsexuais, não-binárias, interseccionais, etc., são aduladas, veneradas, adoradas. As mulheres conservadoras são cilindradas pelos media:




 

- Este post fica na nossa secção MULHERES. É diversão garantida:

Ecologista pede a extinção dos homens

Pela segunda vez em 2 dias: um israelita morre logo após receber a injecção do coronavírus


Pela segunda vez nesta semana, um israelita morreu poucas horas depois de receber a vacinação covid-19.
Um homem de 88 anos foi evacuado na terça-feira para o pronto-socorro do Hospital Hadassah Ein Kerem de Jerusalém depois de desmaiar dentro de sua casa.
Apesar dos esforços dos médicos para o reanimar, que foram continuados pelos médicos do pronto-socorro e pela equipa de medicina interna, a vítima foi declarada morta pela equipa médica do hospital.
O hospital confirmou ao INN que o homem foi de facto vacinado na tarde de terça-feira, mas enfatizou que "ele sofria de doenças de fundo prolongadas, complexas e graves".
Esta é a segunda morte supostamente relacionada com a vacina corona em dois dias em Israel. Na segunda-feira, um homem de 75 anos da cidade israelita de Beit Shaan, no norte do país, também morreu de ataque cardíaco apenas duas horas após receber a vacina da Pfizer na segunda-feira, informa o News 12.

 


 

Lockdowns, quarentenas obrigatórias, desemprego, famílias caídas na pobreza, crise financeira, protestos públicos, brutalidade policial sobre judeus ortodoxos, desorientação dos líderes políticos, têm marcado a desgraçada saga do Covid em Israel, como em muitos outros países. Agora, que chegou a abençoada vacina, aparece uma nova estirpe de Covid (que não se sabe se é resistente à vacina). E como se não bastasse, os primeiros destinatários da vacina (idosos e doentes) começam a morrer após serem inoculados. Um lindo serviço que a China mais uma vez arranjou ao Mundo (esteja a par das tropelias do Império do Mal no canal NTD).

domingo, 27 de dezembro de 2020

Apesar das evidências do ataque em vídeo, os media referem-se a "suposto" atirador 'palestino'

 

Qualquer pessoa que leia habitualmente as notícias entende que os acontecimentos são frequentemente relatados de forma padronizada, com frases e palavras específicas como “alegado” ocorrendo repetidamente. Às vezes, porém, um evento é facilmente verificável.  

Então, quando vários meios de comunicação, incluindo Reuters, Associated Press (AP) e The Washington Post descreveram recentemente um atacante em Jerusalém como um "suposto" atirador, apesar das evidências de vídeo do atirador abrindo fogo, isso constitui uma falha colectiva dos media em relatar a história com precisão.

Primeiro, os factos: nas primeiras horas da manhã de segunda-feira, um 'palestino' abriu fogo contra um grupo de polícias na Cidade Velha de Jerusalém. O vídeo do atirador segurando uma arma e disparando foi amplamente compartilhado nas redes sociais. Uma fotografia nítida da arma foi publicada em sites israelitas de notícias, e as paredes marcadas com buracos de bala foram fotografadas pela Imprensa local. 
 
Embora a questão do motivo - isto é, se o perpetrador foi movido por ódio ou intenção criminosa, ou sofria de doença mental - esteja sujeita a investigação policial, não há debate sobre a ocorrência de um tiroteio. Mas a manchete da AP leva os leitores a acreditar que o assunto está em disputa: “A Polícia israelita atira em suposto atirador na Cidade Velha de Jerusalém”.

 


Já seria mau se apenas a Associated Press tivesse publicado esta manchete. Mas como a AP é uma das maiores agências de notícias do mundo, muitos outros veículos de notícias importantes reimprimem o seu conteúdo, muitas vezes literalmente. Aqui, por exemplo, está o artigo no site do The Washington Post:

 


E aqui está o mesmo artigo e a mesma manchete no Yahoo News:

 

A peça foi republicada em muitos outros meios de comunicação conhecidos. Aqui está, no site da ABC News:

 


O preconceito dos media é evidente: A palavra “alegado” é usada mesmo que o incidente tenha sido capturado em vídeo e apesar do facto de uma arma, cartuchos de bala e buracos de bala terem sido encontrados no local.
 
A manchete da Associated Press, com uma frase horrível enquadrando o evento como a Polícia israelita tendo como alvo um "suposto" atirador, faz com que as notícias falsas se espalhem como fogo.
 
Jornalismo cobarde, de "diz-que-disse"
 
Além do título, o conteúdo do artigo também é profundamente problemático. Começa não por focar o tiroteio em si, mas sim a resposta das forças de segurança atacadas.

 

"A Polícia israelita disse na segunda-feira que atirou sobre um atacante palestino que abriu fogo contra um grupo de polícias na Cidade Velha de Jerusalém. 
 
De acordo com a Polícia, o atacante aproximou-se de um posto policial perto da Porta do Leão da Cidade Velha e disparou com uma metralhadora rudimentar conhecida como “Carlo”". 
 
Observe as frases, “a Polícia israelita disse” e “de acordo com a Polícia”. Repetidamente, a violência 'palestina' é descrita como sendo reivindicada por israelitas. Não se trata de uma reivindicação da Polícia israelita. Trata-se de um facto. O jornalismo deve documentar os factos.

 Veja o vídeo abaixo. Existe alguma confusão sobre o que está a acontecer?

 


Essa dinâmica foi provavelmente a causa da manchete da Reuters sobre o mesmo ataque:

Nota do Tradutor: a Reuters titulou "Homem abatido na Cidade Velha de Jerusalém depois de ter disparado uma arma: Polícia israelita"


O crédito deve ser dado quando devido: a Reuters posteriormente actualizou a sua manchete para um muito mais preciso "Homem armado morto a tiros após atirar contra a Polícia israelita na Cidade Velha de Jerusalém." 
 
Voltando ao artigo da AP, surgem mais problemas neste parágrafo de fundo:
"Nos últimos anos, atacantes palestinos solitários, geralmente não ligados a grupos militantes organizados, foram acusados ​de uma série de supostos esfaqueamentos, tiroteios e atropelamentos de carro contra as forças de segurança israelitas ou colonos judeus na Cisjordânia. Palestinos e grupos de direitos humanos costumam acusar as forças de segurança israelitas de usar força excessiva."
 
Esses ataques não foram apenas "alegados" (NOTA DO TRADUTOR: NO AMIGO DE ISRAEL 1.0 TEMOS LARGAS DEZENAS DE POSTAGENS ILUSTRANDO A "INTIFACAFA"). 
Certamente uma organização de notícias como a Associated Press tem os recursos para confirmar que pelo menos algumas das centenas de esfaqueamentos, tiroteios e ataques com carros nos últimos anos de facto ocorreram, em vez de turvar as águas ao descrever todos esses ataques como "alegados".
 
O papel dos jornalistas não é meramente repetir afirmações sobre o que aconteceu, mas determinar o que exactamente aconteceu e relatar os eventos com a maior precisão possível. 
 
Em primeiro lugar, a tarefa do jornalista é estabelecer a verdade. Ao substituir factos por afirmações, a verdade objectiva é enterrada. 
 
O jornalismo pode ser uma tarefa complicada. Estabelecer factos nem sempre é fácil. Mas a propensão dos media em relatar factos como alegações serve apenas para confundir os limites entre a narrativa e a realidade, tornando possível para o público duvidar de que os israelitas realmente estejam sob ataque.

 

Traduzido de:


Este post fica arquivado na nossa secção JORNALISTAS.

Estas manchetes e estes artigos enquadram-se na visão actual do jornalismo. Os jornalistas de hoje vêem-se a eles mesmos e são formados para serem activistas de extrema-esquerda (inerentemente antissemitas e islamófilos). 

Note que tudo quanto acontece aos insignificantes e desprezados judeus, acaba, mais tarde ou mais cedo, por atingir os seres humanos de primeira categoria, as pessoas propriamente ditas. No caso da decapitação do professor Samuel Paty, em França, assistimos a este mesmo fenómeno: a Policia que abateu o terrorista islâmico foi severamente atacado por "excesso de força", e o decapitador muçulmano foi canonizado pelos mesmos jornaleiros:

 

 
O muçulmano Abdoullakh A. é a vítima, na óptica dos jornalistas.
 
O professor Samuel Paty, que foi decapitado pela besta acima, não interessa nada:

sexta-feira, 25 de dezembro de 2020

Explosão em Nashville: altifalante transmitiu contagem decrescente

 

 

Os serviços de emergência esta sexta-feira responderam a uma grande explosão no centro de Nashville, na manhã de Natal. Um aviso de áudio foi transmitido antes da explosão. Um aviso dizendo às pessoas para evacuar a área foi captado em vídeo de vigilância. O aviso continuou por 30 minutos antes de uma "contagem regressiva" começar logo antes da explosão.

Imagens da cena na 2nd Avenue North enquanto várias agências continuam a trabalhar e investigar uma explosão no início desta manhã:

 


Bomba explode no centro de Nashville depois de um altifalante ter avisado as pessoas para evacuar. O aviso durou 30 minutos e foi seguido de contagem decrescente:
 

Houve relatos de tiros antes e depois da explosão - bem como munições reais explodindo dentro de um veículo que estava em chamas. Uma mulher disse que a contagem regressiva alertando as pessoas sobre a explosão lhe salvou a vida.


GATEWAY PUNDIT e GELLER REPORT.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2020

"Mata-os friamente com ódio e raiva" - mensagem de Natal do ISIS

 


Joe Biden e o seu gangue continuam a pintar um retrato cor-de-rosa da ameaça islâmica *.

* há que contentar o eleitorado:

 

Joe Biden exorta eleitores muçulmanos à jihad

 

 

Nasheed (canto religioso islâmico) para este Natal: ‘Mata friamente os infiéis com ódio e Raiva’; ‘Planeia a tua matança perfeita’; '#Feliz Natal' 
 
Em 12 de Dezembro de 2020, apoiantes online do Estado Islâmico (ISIS) distribuíram um clipe de áudio de um novo nasheed (canto religioso islâmico) intitulado "Mata-os Friamente com Ódio e Fúria". 
A música estimula os seguidores do grupo a realizar ataques em nome do ISIS em busca de vingança pelos muçulmanos que foram mortos no passado e a unir esforços para lutar em nome da religião islâmica e aterrorizar os seus inimigos. A identidade do intérprete da música de aproximadamente dois minutos e meio não foi fornecida e parece ser um empreendimento pessoal, que não foi produzido profissionalmente pelo órgão central de media do grupo. 
Os apoiantes que lançaram a música no Telegram incluíram um poster com uma árvore de Natal com uma bomba anexada e a legenda: “Just Terror 2020. Aqui estão as celebrações deles à tua porta e nós também estamos aqui! E estamos prestes a atacá-los contigo!”. A postagem também traz a hashtag #MerryChristmas, sugerindo que seja usada nas redes sociais para divulgar a música.

 


Uma postagem no Telegram de apoiantes do ISIS promovendo a música "Coldly Kill them with Hate and Rage" [1]
 
O que se segue é uma transcrição da letra da música:

 

"Mata-os friamente com ódio e raiva" 
 
"Mata-os friamente com ódio e raiva 
 
"Eles lutaram contra o Islão dia e noite 
 
"Mataram muitos muçulmanos de uma só vez 
 
"A vingança enche os corações e mentes 
 
"Mata-os friamente com ódio e raiva 
 
"Esfaqueia-os, atira neles ou fá-los explodir
 
"Faz os media deles chorar e transmitir notícias sobre "o khilafah" [o califado, isto é, ISIS] 
 
"Mata-os friamente com ódio e raiva 
 
"Invade-os, para destruir o seu poder 
 
"É uma ordem, só para lembrar 
 
 "Mata-os friamente com ódio e raiva 
 
“Continuaremos lutando pelo nosso deen [religião] 
 
"Pagãos, ateus e murtadeen [politeístas]" 
 
"Ganha em Jannah [paraíso] num alto grau com as tuas donzelas sob uma árvore" 
 
“É a nossa única rotina 
 
"Mata-os friamente com ódio e raiva 
 
"A guerra ainda nem começou 
 
"Certifica-te de que fazes a tua parte 
 
 "Aponta a tua espingarda bem ao coração deles 
 
"Mata-os friamente com ódio e raiva 
 
"Enche as vidas dos infiéis de terror e medo 
 
"Puxa o gatilho e grita takbeer [grite 'Allah akbar!'
 
"Os muçulmanos vingam-se, deixa isso claro 
 
 "Mata-os friamente com ódio e raiva 
 
 "Planeia a tua matança perfeita 
 
"Ganha o jannah [paraíso] num alto grau 
 
"Com as tuas donzelas sob uma árvore [as donzelas de olhos negros prometidas aos mártires de acordo com a tradição islâmica]" 
 
"Hijrah e Jihad são a chave" 
 
 "Só a Alá deves agradar 
 
"Mata-os friamente com ódio e raiva 
 
"Nós vamos matar-te, infiel, espera e verás
 
“Conquistas pelo ar, terra e mar 
 
"Não haverá para onde fugir 
 
"Mata-os friamente com ódio e raiva 
 
“Somos vitoriosos, é um decreto 
 
"Hijrah [emigração, ou seja, viajar para se juntar ao ISIS numa zona de guerra] e jihad são a chave 
 
"Mesmo se todos eles discordarem 
 
"Mata-os friamente com ódio e raiva" 
 
"Saudações à África Ocidental, até à Ásia Oriental" 
 
"Saudações à África Ocidental [ou seja, às filiais do ISIS na Nigéria e no Sahel] até ao leste da Ásia [às filiais do ISIS nas Filipinas, Indonésia e assim por diante] 
 
"Ataca-os com  o teu novo ghanimah [espólio de guerra] 
 
"Mata-os friamente com ódio e raiva 
 
“Glória ao Estado Islâmico, veio para ficar e vai dominar 
 
"Muçulmanos, alegrem-se e antecipem 
 
"Mata-os friamente com ódio e raiva 
 
"Mata-os friamente com ódio e raiva"


 
 
----------------------------------------------------

NENHUMA instituição religiosa muçulmana condena o ISIS. Pelo contrário, a famosa Universidade de Al-Azhar (o "Vaticano" islâmico) já admitiu publicamente que o ISIS representa o verdadeiro Islão. O próprio Papa declarou que os terroristas do ISIS são iguais aos Apóstolos de Jesus.

Os jornaleiros amestrados e os politiqueiros sedentos do voto islâmico insistem que se trata "apenas de uma minoria" de muçulmanos que simpatiza com a jihad (a guerra santa do Islão). Não é. A esmagadora maioria dos muçulmanos é entusiasta da expansão do Islão pelo terrorismo; veja por exemplo:

 


80% dos muçulmanos em Londres apoiam o ISIS

Todos os ataques terroristas cometidos na Europa nos últimos anos foram cometidos pelos chamados "refugiados". O Tio Gugu da ONU continua a preconizar fronteiras abertas e a União Europeia admite abertamente que quer islamizar a Europa. Dizer e demonstrar estas verdades é considerado "discurso de ódio" e dá até cadeia. No entanto, matar os infiéis é "a cultura deles e nós temos de respeitar, pá!".
Este post fica na nossa secção A REALIDADE DO ISLÃO.
Consulte também o nosso "DOSSIER ISLÃO".

ISLÃO: MAIS DE 670 MILHÕES DE MORTOS INOCENTES

COMO O ISLÃO DESTRÓI AS SOCIEDADES

MIL MILHÕES DE MUÇULMANOS QUEREM A LEI ISLÂMICA SHARIA


20 MANDAMENTOS DO ALCORÃO
(E não; o problema não é vir no Alcorão. O problema é eles continuarem a cumprir o Alcorão à risca)
  1. Tu deves estuprar, casar e divorciar meninas na pré-puberdade. Alcorão 65:4, 4:3
  2. Tu deves ter relações sexuais com escravas sexuais e trabalhadoras escravas. Alcorão 4: 3, 4:24, 5:89, 33:50, 58: 3, 70:30
  3. Tu deves bater nas escravas sexuais, nos trabalhadores escravos, e nas esposas. Alcorão 04:34
  4. Tu deves ter quatro testemunhas masculinas muçulmanas para comprovar um estupro. Alcorão 24:13
  5. Tu deves matar aqueles que insultam o Islão ou Maomé. Alcorão 33:57
  6. Tu deves crucificar e amputar não-muçulmanos. Alcorão 5:33, 8:12, 47: 4
  7. Tu deves matar os não-muçulmanos para garantir receber as 72 virgens no céu. Alcorão 9: 111
  8. Tu deves matar quem deixar o Islão.Alcorão 2: 217, 4:89
  9. Tu deves decapitar não-muçulmanos. Alcorão 8:12, 47: 4
  10. Tu deves matar e morrer por Alá. Alcorão 9: 5
  11. Tu deves aterrorizar os não-muçulmanos. Alcorão 8:12, 8:60
  12. Tu deves roubar e furtar os não-muçulmanos. Alcorão Capítulo 8 (Saque / Espólios de Guerra)
  13. Tu deves mentir para fortalecer o Islão.Alcorão 3:28, 16: 106
  14. Tu deves lutar contra os não-muçulmanos, mesmo que você não queira. Alcorão 2: 216
  15. Tu NÃO deves tomar os não-muçulmanos como amigos. Alcorão 05:51
  16. Tu deves chamar os não-muçulmanos de porcos e macacos. Alcorão 5:60, 7: 166, 16: 106
  17. Tu deves tratar os não-muçulmanos como as criaturas mais vis, que não merecem misericórdia. Alcorão 98: 6
  18. Tu deves tratar os não-muçulmanos como inimigos jurados. Alcorão 4: 101
  19. Tu deves matar os não-muçulmanos por não se converterem ao Islão. Alcorão 09:29
  20. Tu deves extorquir não-muçulmanos para manter o Islão forte. Alcorão 09:29.


 

Felipe Neto recomenda SODOMIA

  Olavo de Carvalho avisou - é atrás das crianças que eles andam! Felipe Neto, o ídolo da juventude, o queridinho do Sistema, o modelo para ...