terça-feira, 16 de março de 2021

257 MILHÕES: União Europeia e Soros financiam terroristas que matam judeus

A União Europeia pagou 34 milhões de euros a ONGs anti-Israel radicais chefiadas por George Soros e 257 milhões  à AP ("Autoridade Palestina") para pagar às famílias de terroristas 
 


De acordo com um relatório parlamentar escrito por um eurodeputado alemão, a UE teria pago 34 milhões de subvenções a ONGs anti-Israel da rede Open Society Foundations (OSF), relata Louis-Marie Bonneau, investigador associado do Centro Europeu de Direito e Justiça (ECLJ).

Um relatório parlamentar recente denuncia o financiamento público, pela Comissão Europeia, de ONGs anti-Israel e gravitando na rede de Open Society Foundations (OSF). Baseia-se nas fontes do sistema de transparência financeira da Comissão e em números de várias ONG, como o Monitor e o Movimento Regavim.

Na sequência desta investigação, exorta o Parlamento Europeu a não dar a sua aprovação final sobre a forma como a Comissão Europeia executou o orçamento de 2019. A Comissão do Controlo Orçamental terá de votar esta questão em 22 de Março de 2021.

De acordo com este relatório, em 2019, foram pagos a estas ONG cerca de 34 milhões de euros em bolsas europeias. No entanto, o autor do relatório considera que, devido à falta de transparência, o valor real é provavelmente muito superior. 

Para ele, este financiamento discrimina os conservadores, ao mesmo tempo que viola a obrigação de neutralidade política da Comissão Europeia. Na verdade, Joachim Kuhs, autor do relatório, considera que estes grupos financiados pelo contribuinte europeu não são verdadeiras ONGs, mas sim organismos quase-governamentais (QUANGOs) que são o braço armado do activismo anti-conservador na Europa. E no mundo. 

Só nos Estados-Membros da União Europeia, a Comissão financiou vários "QUANGOs" da galáxia Open Society Foundations no valor de 25 milhões de euros. Por exemplo, os Comités de Helsínquia receberam € 887.410 e a Democracia Aberta € 75.001. Essas organizações fazem campanha, em particular, pela abertura das fronteiras e pela luta contra o "discurso de ódio". 

Richard Abelson analisa o relatório de Joachim Kuhs num artigo intitulado Por “Fronteiras abertas” e censura ao “discurso de ódio”. Quando questionado, este último declarou que "Dada a crise económica causada pela pandemia de COVID, é difícil explicar aos contribuintes porque é que a UE está a gastar o nosso dinheiro em ONGs de esquerda que defendem um programa radical 'Sem Fronteiras', ”Campanhas [que poderiam ser traduzidas como“ guerra legal ”, nota do editor] contra governos eleitos democraticamente e atacam líderes conservadores como Matteo Salvini e Viktor Orbán”. 

Ele acrescentou que não encontrou um único exemplo de ONGs conservadoras que recebessem financiamento da Comissão. 

 

257 milhões também pagos à Autoridade Palestina, usados ​​em particular para ajudar as famílias de terroristas mortos e presos 

O relator observa que a Comissão Europeia tem um desejo claro de financiar organizações anti-Israel, em particular. Por exemplo, apoia grupos influentes como o Conselho Europeu de Relações Exteriores (ECFR), muito próximo de Georges Soros, que tem uma agenda pró-migração, e se opõe às soberanias e a Israel. 

O ECFR fala de Israel como uma "potência de ocupação" e um "Estado de apartheid". O Relatório mostra também, por exemplo, que a Comissão Europeia financia organizações ligadas à Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP), grupo que a União Europeia classificou de terrorista. 

A Comissão também financiou ONGs aumentando os recursos legais e apoiando protestos violentos. Joachim Kuhs também acusa a União Europeia de ter financiado a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Médio Oriente (UNRWA) no valor de 131,7 milhões de dólares, em 2019. Ele chama a atenção para que esta organização "tem laços estreitos com as organizações terroristas Hamas e Fatah". 

Além disso, os fundos europeus financiaram a Autoridade Palestina (AP) no montante de 257,5 milhões de euros (programa "PEGASE: apoio financeiro directo para as despesas recorrentes da Autoridade Palestina"). 

No entanto, o autor explica que, com esse financiamento, a organização paga principalmente às famílias dos terroristas mortos e presos. De facto, a AP criou um programa ("Pay-for-Slay"/"Pagar para Matar") que oferece "pensão automática vitalícia para quem quer que seja pela família de quem assassinar um judeu". Joachim Kuhs observa que a Comissão Europeia não financia nenhum grupo de reflexão conservador em Israel. 

 A União Europeia também financia este tipo de ONGs em outras regiões, como os Balcãs ou a África do Sul. Também parece fornecer apoio financeiro a grupos ligados à Irmandade Muçulmana. Por exemplo, € 550.000 foram doados para Islamic Relief Germany, uma organização ligada a relatórios com o Hamas, o Hezbollah e a Irmandade Muçulmana.  

A Rede Europeia contra o Racismo (ENAR), cujo diretor, Michaël Privot, foi membro da Irmandade Muçulmana até 2008, recebeu 1,16 milhão de euros. Todos estes são elementos que questionam as opções ideológicas da Comissão Europeia e a forma como administra os dinheiros públicos europeus.

 


Via:
 

 
 
Este post fica na nossa secção NAZI GEORGE SOROS. Veja também

 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Von Der Leyen ameaça cortar víveres aos italianos (VÍDEO)

  Von Der Leyen ameaça cortar víveres aos italianos se votarem mal: “Veremos o resultado da votação na Itália. Se as coisas forem numa dire...