sábado, 29 de fevereiro de 2020

Grécia envia Exército e Marinha para deter a guerra demográfica turca


TURQUIA ABRE AS COMPORTAS… e inunda a Europa com mais milhões de invasores muçulmanos

Hordas muçulmanas marcham sobre a Europa, depois de a Turquia ter declarado que abandona qualquer controle de fronteiras.
A UE parou de pagar à Turquia os biliões de dólares em chantagem para impedir que os "migrantes" muçulmanos alcancem a Europa por terra e por mar? Ancara está  facilitar-lhes a entrada na Europa, e a Grécia está a ser forçada a deter grandes multidões de muçulmanos nas suas fronteiras.


Centenas de muçulmanos vindos da Turquia começaram a chegar às fronteiras com a Grécia e com a Bulgária esta sexta-feira, depois de uma alta autoridade turca ter dito que Ancara não aceitaria mais o acordo com a União Europeia, de 2016, que impedia que mais "refugiados" chegassem à Europa.




Daily Mail - Cenas desesperadas desenrolaram-se na sexta-feira numa passagem de fronteira perto da cidade turca de Edirne, depois de a Polícia e os guardas de fronteira turcos terem permitido que centenas de pessoas passassem. Isso levou a que uma multidão de centenas de pessoas tentassem entrar na Grécia, mas foram rapidamente bloqueadas pelos guardas gregos, que dispararam gás lacrimogéneo para os manter afastados.
Grécia e Turquia partilham uma fronteira natural fluvial perto de Erdine, mas o território turco expande-se um pouco para oeste, com uma cerca de segurança na fronteira na Grécia.
Nota do Tradutor: mais uma cerca de fronteira, que, como centenas delas em todo o mundo, não incomoda ninguém. Só a cerca que impede que mais terrorista árabes matem judeus em Israel é que incomoda a ONU, a União Europeia e o mundo inteiro e arredores.



A Turquia, que já abriga cerca de 3,6 milhões de refugiados sírios, ameaçou desencadear uma nova crise migratória na Europa, para pressionar os países europeus a ajudarem-na no conflito que mantém com a Síria - onde está a tentar impedir uma ofensiva do governo apoiada pela Rússia. na província de Idlib.
O primeiro-ministro da Grécia, Kyriakos Mitsotakis, disse que o país não tolerará a entrada ilegal de migrantes através das suas fronteiras e que aumentará a segurança nas fronteiras.
Num tweet, Mitsotakis disse que a Grécia "não se responsabiliza pelos trágicos eventos na Síria e não sofrerá as consequências das decisões tomadas por outros".



Nas primeiras horas desta sexta-feira, mais migrantes foram vistos a desembarcar na ilha grega de Lesbos, tendo chegado pelo Mediterrâneo.
Um oficial da Polícia grega disse que dezenas de pessoas se reuniram no lado turco da fronteira terrestre na região de Evros, na Grécia, gritando 'Abram as fronteiras!'. A Polícia e as patrulhas militares e fronteiriças do lado grego preparam-se para impedir que as pessoas cruzem sem autorização.
A ofensiva de Idlib, que está a ser realizada com apoio da Rússia, ameaça desencadear uma crise de refugiados na fronteira turca, já que milhões de civis correm o risco de serem alvos indiscriminados de atentados e ataques aéreos.


Actualmente, Idlib é o lar de cerca de quatro milhões de pessoas, muitas delas deslocadas e vivendo em cidades de tendas ao longo da fronteira da Turquia.
O Presidente turco Tayyip Erdogan ameaçou repetidamente abrir as portas para os migrantes viajarem para a Europa. Se o fizer, reverterá uma promessa feita pela Turquia à União Europeia (depois de receber biliões de dólares) em 2016.


O Paquistão aplaude a invasão da Europa:




https://barenakedislam.com/2020/02/28/turkey-flings-open-the-floodgates-sending-millions-more-muslim-invaders-into-europe/


Grécia envia Exército e Marinha para deter a guerra demográfica turca

O primeiro-ministro da Grécia declarou publicamente que não deixa entrar migrantes e que a Grécia defenderá as fronteiras da Europa. Segundo relatos da Imprensa, cinquenta embarcações e dez helicópteros foram enviados para proteger as Ilhas Gregas.

 

A Bulgária e a Grécia enviaram tropas para a fronteira, onde se formam multidões gigantescas. A Turquia está a deixar passar quem quer tentar uma travessia ilegal, de Istambul até à fronteira.


O governo turco promete continuar a facilitar a vida dos invasores. A Turquia está a exigir mais biliões de ajuda da Europa para retomar a segurança nas fronteiras.


Na semana passada, já houve tumultos nas Ilhas Gregas mais atingidas, com protestos populares contra as entradas ilegais contínuas. Diz-se que a situação é extremamente tensa.

Enquanto isso, Erdogan prometeu
novamente invadir mais território em Rojava, território que incluiria Kobani e al-Quamishly. A cidade de al-Quamishly é uma cidade importante que é governada em conjunto pelo PYD/YPG e pelo governo sírio. O governo sírio controla o aeroporto e está envolvido na administração dos bairros assírios. Diz-se que há soldados russos e americanos na cidade como um impedimento para uma invasão turca.
Renaissance Horizon


Claro, que os corações sangrantes estão 100% a favor da invasão, mesmo que isso signifique o afundamento ainda mais rápido da Europa:


VÍDEO: A bordo com os "pobres refugiados da Síria"


Somos a favor da ajuda a todos os verdadeiros refugiados e nada temos contra a imigração legal, mas isto é uma invasão, uma hégira islâmica, onde pontuam homens jovens, em idade militar, bem nutridos e em forma, que espalham o terrorismo e o crime na Europa, como temos demonstrado em milhares de posts.
Infelizmente, o paradigma vigente define como "racismo" e "ódio" a defesa do Mundo Livre, sobretudo quando se trata dos Estados Unidos e de Israel.


 "Eh pá, 'tás cheio de ódio!...".

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Muçulmanos "fazem compras" no Londristão

Muçulmanos em Londres chegam a uma loja de aparelhos electrónicos e servem-se. De caminho, ameaçam de morte os empregados ("I fuckin kill you!").
Repare como os polícias ficam quietinhos:



Via:

https://barenakedislam.com/2020/02/28/londonistan-muslim-cultural-enrichers-go-on-a-shopping-spree/


Os incorrigíveis apologistas do Islão, dirão que "cá também há assaltos". Isto é muito mais que um assalto. Os muçulmanos sabem que gozam de TOTAL IMPUNIDADE e nem se dão ao trabalho de tapar a cara. A sua condição de muçulmanos, na óptica deles, dá-lhes o direito de se apoderarem do que é dos "infiéis".
Não esqueça que, segundo o Islão, O SANGUE E AS PROPRIEDADES DOS INFIÉIS PERTENCEM AOS MUÇULMANOS:



Os incorrigíveis apologistas do Islão, dirão que "isto é uma excepção". Não é. Isto é a regra no Reino Unido e onde quer que os muçulmanos se estabeleçam. Veja como a SIC do senhor Globalsemão corta o pio a esta portuguesa que de Londres diz a VERDADE:



Sabe porque é que os polícias, os empregados e os clientes ficam quietinhos?
Um polícia foi expulso por sugerir enrolar os terroristas em presunto, sabia?
Lá, como cá, dizer a VERDADE é considerado "racismo"
Nem por sombras pretendemos ser exaustivos, mas temos algumas centenas de postagens que são apenas uma amostra da islamização das Ilhas Britânicas. Consulte a nossa secção:


Veja, por exemplo, como eles se divertem a fazer troça dos "infiéis" após cada massacre islamista:



Os incorrigíveis apologistas do Islão ouvem os invasores muçulmanos a dizer com todas as letras que vieram para nos dominar, e acham que "temos de respeitar, pá, porque é a cultura deles, tás a ver?":




P.S.: Os incorrigíveis apologistas do Islão dirão que nem todos os muçulmanos vão às compras assim. Lá isso é verdade! Estas, por exemplo, roubam, escondem na burqa e aproveitam para exibir as cuecas:




Umas al-boazonas!!!

TCHA-RAAAAAM!!!:


quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

"Dossier Islão": Jihad significa 'luta interior'?



Jihad significa "luta interior"?


O mito:

Jihad significa simplesmente 'luta' e refere-se apenas a uma luta pacífica contra o pecado, e não a uma guerra santa para espalhar o Islão.

A verdade:

Em Árabe "jihad" significa luta. No Islão, significa guerra santa.

O Alcorão isenta especificamente os deficientes e os "fracos" da Jihad (4:95, 9:91), o que não faria sentido se a palavra estivesse a ser usada no contexto da luta espiritual. Também não está claro por é que Maomé e o seu Alcorão usariam linguagem gráfica, como golpear dedos das mãos, cabeças e pescoços dos infiéis, se ele estivesse a falar do desenvolvimento do carácter.

Com isso em mente, os apologistas muçulmanos geralmente admitem que há dois significados para a palavra, mas às vezes afirmam que a "luta interior" é a "maior Jihad", enquanto que a "guerra santa" é a "menor". Na verdade, esse equívoco está baseado num hadith (decreto islâmico) único e fraco, que os estudiosos islâmicos geralmente concordam que foi forjado.

Por outro lado, a mais confiável de todas as colecções de Hadith é a de Bukhari. A jihad é aí mencionada mais de 50 vezes em referência às palavras de Maomé (nos versos do Sahih). Todas e cada uma delas têm uma conotação clara da guerra santa, com apenas algumas excepções possíveis (lidando com o papel de apoio de uma mulher durante um período de guerra santa e a obrigação de o não-combatente fornecer financiamento).

Nem a tradição xiita nem nenhuma das quatro escolas da jurisprudência sunita têm muito a dizer sobre a Jihad num contexto que não seja a guerra física contra os infiéis e o seu financiamento. De acordo com a Reliance of the Traveller, "Jihad significa guerra contra não-muçulmanos e é etimologicamente derivada da palavra mujahada, significando guerra para estabelecer a religião" (o9.0).

A associação da "Jihad" com a luta espiritual no discurso moderno é uma estratégia rectórica para subestimar a associação do Islão com a violência.


[Nota adicional: Os apologistas tentam minimizar o medo da Jihad e desvalorizar a sua associação com o terrorismo, alegando que a Jihad só pode ser declarada por um califado. Existem dois problemas com isso. O primeiro é que um califado não é mítico, mas pode ser autoproclamado a qualquer momento (como todos os califados). Esse é o caso do ISIS. O segundo problema é que essa regra de declarar a Jihad é encontrada na Sharia (lei islâmica) e, portanto, é tão legítima quanto qualquer outra coisa encontrada lá - incluindo a execução de apóstatas, gays e adúlteros. ]



O Al-Drabão em acção:


MIL MILHÕES DE MUÇULMANOS QUEREM A LEI ISLÂMICA SHARIA

COMO O ISLÃO DESTRÓI AS SOCIEDADES


Este post faz parte da nossa secção:




quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

"Coronavírus infectará 70% do Mundo dentro de um ano"

Professor de Harvard: dentro de um ano, 70% do mundo estará infectado com coronavírus
Uma pandemia global é provável, disse o professor de Harvard.

Por World Israel News e AP


Marc Lipsitch, Professor de Harvard, disse ao Wall Street Journal esta semana que uma pandemia global do coronavírus "é provável". Ele disse que até 70% das pessoas serão infectadas em todo o mundo.


“Se uma pandemia acontecer, 40% a 70% das pessoas em todo o mundo provavelmente serão infectadas no próximo ano. Quantas pessoas apresentarão sintomas? Não posso adiantar um número”, afirmou.
"No momento, o coronavírus é uma preocupação muito maior do que a SARS", disse Steven Riley, Professor de dinâmica de Doenças Infecciosas no Imperial College.


Família chinesa levada de casa à força (há quem diga que as autoridades estão a executar as pessoas suspeitas de estar infectadas - o que, num país onde o governo trafica órgãos, não nos admirava que fosse verdade):



"O principal motivo para estas previsões é que a nossa estimativa do número de pessoas que actualmente estão infectadas é maior do que o máximo que já foi infectado ao mesmo tempo com a SARS", disse ele.

Em 2003, a SARS infectou 8.096 pessoas e 774 morreram.

Enquanto continuam as restrições maciças de viagens na China, verificações de casa em casa, enormes alas de isolamento e bloqueios de cidades inteiras, que deram um tempo valioso ao mundo para se preparar para a disseminação global do novo vírus, surtos preocupantes estão a surgir na Itália, Coreia do Sul e Irão.

As autoridades de Saúde dos EUA alertaram para que é inevitável que o vírus se espalhe mais amplamente nos Estados Unidos, mas a pergunta é: o mundo usou esse tempo com sabedoria e está pronto para uma possível pandemia?

Numa cidade bloqueada na China, uma mãe implora à Polícia que deixe que a sua filha com câncer vá receber tratamento; a presença da Imprensa internacional foi  decisiva para o bom desenlace:



"Não se trata tanto de saber se isso acontecerá, mas quando acontecerá - e quantas pessoas neste país terão doenças graves", disse Nancy Messonnier, do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

Alguns países estão a estabelecer limites máximos de preço em máscaras faciais para combater a inflação de preços, enquanto outros estão a usar alto-falantes em camiões para manter os moradores informados. Nos Estados Unidos e em muitos outros países, as autoridades de saúde pública estão a recorrer às directrizes escritas para a gripe pandémica e a discutir a possibilidade de fecho de escolas, o tele-trabalho e o cancelamento de eventos.

Os países poderiam estar a fazer ainda mais: treinando centenas de trabalhadores para rastrear a propagação do vírus de pessoa para pessoa e planeando o estabelecimento de enfermarias inteiras ou até hospitais inteiros, disse o Dr. Bruce Aylward, enviado da Organização Mundial da Saúde para a China, sobre as lições aprendidas pela equipa de cientistas internacionais em que ele participou recentemente.

"O tempo é tudo nesta doença", disse Aylward. "Os dias fazem a diferença com uma doença como esta".

O governo chinês continua a fazer "desaparecer" todas as pessoas (médicos, sobretudo) que alertam para a real dimensão da epidemia:



O chefe de doenças infecciosas dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA, Dr. Anthony Fauci, disse que o mundo está "muito, muito perto" de uma pandemia. Ele credita a resposta da China por dar a outros países algum espaço para respirar.
A China isolou dezenas de milhões de cidadãos e outras nações impuseram restrições de viagem, reduzindo o número de pessoas que precisavam de exames de saúde ou quarentena fora do país asiático.

“Deu-nos tempo para realmente descartar os nossos planos de preparação para uma pandemia e para nos prepararmos para o que precisamos de fazer”
, disse Fauci. "E, na verdade, tivemos muito sucesso porque, nos casos relacionados com viagens, conseguimos identificar, isolar e rastrear aqueles com quem eles entraram em contacto".


Ainda sem vacina ou medicamento disponível, os preparativos estão focados no que é chamado "distanciamento social" - limitando as oportunidades para as pessoas contraírem e espalharem o vírus.

Isso aconteceu na Itália esta semana. Com o aumento dos casos, as autoridades interromperam o popular Carnaval de Veneza e fecharam a ópera La Scala de Milão. No Japão, o primeiro-ministro Shinzo Abe pediu às empresas que permitissem que os funcionários trabalhassem em casa, enquanto a Maratona de Tóquio foi restrita a corredores de elite e outros eventos públicos foram cancelados.

O resto do mundo está pronto?
Em África, três quartos dos países têm um plano de pandemia de gripe, mas a maioria está desactualizada, segundo autores de um estudo publicado na semana passada na revista médica The Lancet. A notícia um pouco melhor é que as nações africanas mais conectadas com a China por viagens aéreas - Egipto, Argélia e África do Sul - também possuem os sistemas de saúde mais preparados do continente.

Em outros lugares, a Tailândia disse que estabeleceria clínicas especiais para examinar pessoas com sintomas de gripe para detectar infecções precocemente. O Sri Lanka e o Laos impuseram limites máximos de preço para as máscaras, enquanto a Índia restringiu a exportação de equipamentos de protecção individual.

O Ministério da Saúde da Índia tem elaborado instruções passo a passo para lidar com as transmissões, que serão distribuídas aos 250.000 conselhos da aldeia, que são a unidade mais básica da ampla administração do país.


O Vietname está a usar video-clipes nas redes sociais para alcançar o público. Na Malásia, os alto-falantes dos camiões emitem informações pelas ruas.


Na Europa, as unidades portáteis montados nos hospitais do Reino Unido serão usados ​​para avaliar as pessoas suspeitas de infecção, mantendo-as separadas das outras.

Traduzido por nós, de:


https://worldisraelnews.com/harvard-professor-within-year-70-worldwide-will-be-infected-with-corona/?utm_source=MadMimi&utm_medium=email&utm_content=Sanders+Ready+to+Return+US+Embassy+to+Tel+Aviv%2C+Calls+Netanyahu+%27Racist%27%3B+Israeli+Arabs+Reject+Becoming+Citizens+of+%27Palestine%27%3B+Netanyahu+to+Hamas%3A+%E2%80%98Restore+Calm+or+You%E2%80%99re+Next%E2%80%99&utm_campaign=20200226_m157110806_Sanders+Ready+to+Return+US+Embassy+to+Tel+Aviv%2C+Calls+Netanyahu+%27Racist%27%3B+Israeli+Arabs+Reject+Becoming+Citizens+of+%27Palestine%27%3B+Netanyahu+to+Hamas%3A+%E2%80%98Restore+Calm+or+You%E2%80%99re+Next%E2%80%99&utm_term=Harvard+Professor_3A+Within+Year_2C+70_25+of+World+will+be+Infected+with+Coronavirus

"Dossier Islão": O Islão é uma Religião de Paz?



O Islão é uma Religião de Paz?

O Mito:

Maomé era um homem pacífico que ensinou os seus seguidores a serem pacíficos. Os muçulmanos viveram pacificamente por muitos séculos, lutando apenas em legítima defesa, e somente quando necessário. Os verdadeiros muçulmanos nunca agiriam agressivamente.

A Verdade:

Não deve haver discussão sobre quem é o "verdadeiro muçulmano", porque o Alcorão distingue claramente o verdadeiro muçulmano do falso muçulmano na Sura 9 e em outros lugares. Este é um dos capítulos finais do Alcorão e define o verdadeiro crente como aquele que "luta com as suas riquezas e com a sua pessoa", enquanto que os hipócritas são aqueles que "ficam em casa", recusando-se a juntarem-se à jihad contra os infiéis em terras estrangeiras.

A realidade é que Maomé organizou 65 campanhas militares nos últimos dez anos da sua vida e liderou pessoalmente 27 delas. Quanto mais poder ele alcançava, menor era a desculpa necessária para ir para a batalha - até que finalmente ele atacava tribos simplesmente porque ainda não faziam parte do seu crescente império.

Além das campanhas, Maomé ordenou o assassinato ou a execução de mais de 50 indivíduos durante um período de dez anos, e até o massacre de várias centenas de homens da mesma tribo num só dia. Alguns deles eram idosos, mulheres e poetas, mortos nas suas próprias casas. Os apologistas tentam descartar a maioria dos assassinatos como casos de autodefesa. No mundo real, essa tentativa cai por terra após o segundo ou terceiro assassinato em série, sem mencionar o 50º.

Após a morte de Maomé, o seu sucessor entrou  imediatamente em guerra com antigas tribos aliadas que queriam seguir o seu próprio caminho. Abu Bakr chamou-lhes 'apóstatas' e matou qualquer um que não quisesse permanecer muçulmano. Finalmente, ele conseguiu manter o império unido através do sangue e da violência.

Os seguidores mais fiéis do profeta do Islão e até a sua própria família rapidamente se voltaram uns contra os outros. Havia quatro califas (líderes) nos primeiros vinte e cinco anos, cada um dos quais fora um companheiro de confiança de Maomé. Três desses quatro foram assassinados. O terceiro califa foi assassinado pelos aliados do filho do primeiro califa. O quarto califa foi assassinado no meio de um conflito com o quinto califa, que iniciou uma dinastia de 100 anos de excessos e devassidão, que acabou num banho de sangue horrível e generalizado pelos descendentes do tio de Maomé.

A própria filha de Maomé, Fátima, e o seu genro Ali, que sobreviveram às lutas pagãs durante os anos de Meca, sãos e salvos, não sobreviveram ao Islão após a morte de Maomé. Fátima morreu de stress devido à perseguição passados seis meses, e Ali foi assassinado mais tarde por rivais muçulmanos. O filho deles (neto de Maomé) foi morto em batalha com a facção que hoje se tornou os sunitas. O seu povo tornou os xiitas. Os parentes e amigos pessoais de Maomé foram misturados nos dois grupos em guerra, que depois se dividiram em subdivisões hostis à medida que o Islão se expandia.

Os apologistas muçulmanos, que gostam de dizer que é impossível que os terroristas de hoje sejam muçulmanos quando matam outros muçulmanos, teriam muita dificuldade em explicar a guerra entre os seguidores de Fátima e Aisha perante um público experiente. Maomé manteve explicitamente a sua filha favorita e a sua esposa favorita como mulheres muçulmanas modelo, mas elas foram invocadas respectivamente por cada lado na violenta guerra civil que se seguiu à sua morte. Sobre qual deles estava o "profeta de Alá" tão horrivelmente errado?

Maomé deixou os seus homens com instruções para guerrearem contra cristãos, persas, judeus e politeístas (que passaram a incluir milhões de infelizes hindus). Nos quatro séculos seguintes, os exércitos muçulmanos rondaram vizinhos inocentes, saqueando bens e escravos e forçando os sobreviventes a converterem-se ou prestarem vassalagem na ponta de uma espada.

Alguns companheiros de Maomé viveram para ver o Islão declarar guerra a todas as principais religiões do mundo nas primeiras décadas após a sua morte - pressionando a Jihad contra hindus, cristãos, judeus, zoroastrianos e budistas. Não há registo desses Companheiros de Maomé opondo-se a nada disso.

Na época das Cruzadas (quando os europeus começaram a ripostar, a "Religião da Paz" havia conquistado dois terços do mundo cristão à espada, da Síria à Espanha e pelo norte da África. Milhões de cristãos foram escravizados por muçulmanos, além de dezenas de milhões de africanos. As rotas árabes de comércio de escravos permaneceriam abertas por 1300 anos, até que a pressão de países cristãos forçou as nações islâmicas a declarar a prática ilegal (em teoria). O mundo muçulmano nunca se desculpou pelas vítimas da Jihad e da escravidão.

Nos nossos dias, não há outra religião no mundo que produza terrorismo de maneira consistente em nome de Deus, como o Islão. Os muçulmanos mais perigosos são quase sempre aqueles que interpretam o Alcorão com mais transparência. Eles são os fundamentalistas ou puristas da fé e acreditam no mandato de Maomé de espalhar o domínio islâmico pela espada, matando aqueles que não se submetem. Na ausência de verdadeiros infiéis, eles até viram-se em combate uns contra os outros.

Os textos sagrados do Islão estão saturados de versos de violência e ódio contra os que estão fora da fé, bem como os "hipócritas" acima mencionados (os muçulmanos que não agem como os muçulmanos religiosos devem agir). Em nítido contraste com a Bíblia, que geralmente passa de uma representação de violência contra outras pessoas para mandatos mais pacíficos de auto-aperfeiçoamento, o Alcorão segue o caminho oposto (a violência é primeiro proibida, depois permitida e depois obrigatória). O punhado de versículos anteriores que falam de tolerância é esmagado por uma avalanche de versículos posteriores com uma mensagem muito diferente. Embora os versículos violentos do Antigo Testamento estejam geralmente vinculados ao contexto histórico do próprio texto, os imperativos do Alcorão à violência geralmente parecem abertos e sujeitos a interpretação pessoal.

Da História da fé aos seus escritos mais sagrados, aqueles que querem acreditar no "Islão pacífico" têm muito mais a ignorar do que os terroristas. Por qualquer medida objectiva, a "Religião da Paz" tem sido a religião mais dura e sangrenta que o mundo já conheceu. No Islão não há paz a menos que os muçulmanos tenham o poder total - e mesmo assim ...



A extrema-esquerdista, pró-jihadista e jornaleira para todo o serviço Margarida Santos Lopes, lançou o Novo Dicionário do Islão "para combater a islamofobia".
"Islamofobia" é um termo criado pelos supremacistas islâmicos e propagado pelos seus assalariados comunistas (como a Margaridinha) para silenciarem qualquer crítica à ideologia mais assassina e maléfica da História:

MIL MILHÕES DE MUÇULMANOS QUEREM A LEI ISLÂMICA SHARIA

COMO O ISLÃO DESTRÓI AS SOCIEDADES


Este post faz parte da nossa secção:


Confronte a propaganda comunista pró-terrorista da Margaridinha do Al-Público, com os FACTOS:
 

 Playlist:

:  

Taqyyia, Islão e Maomé, explicados por Bill Warner: 

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Fotos e vídeos do Carnaval antissemita belga

 Um post para a secção



Tal como prometemos em

Bélgica volta a fazer desfile antissemita de Carnaval

apresentamos neste post imagens do Carnaval belga que insiste nos estereótipos da propaganda antissemita.
Os inteligentes do costume, sem saberem sequer de que se trata, dirão de imediato que "Atão mas ist' agora é proibido brincar com os judeus?".
Claro que não se trata de "brincar". É que Carnavais destes precederam o Holocausto e o que está aqui em causa é apenas o aproveitar do Carnaval para fazer (ainda mais) propaganda antissemita.
Além, de que se trata apenas de propaganda antissemita, NINGUÉM na Europa de hoje se atreveria fazer qualquer  graça que pudesse desagradar aos muçulmanos.
Talvez os foliões de Aalst pensem que com estas demonstrações de antissemitismo ficam ao abrigo do terrorismo islâmico. É o que vemos na Europa, os nativos a adaptarem-se à cultura dos invasores.
A Bélgica, que já sofre tanto com o terrorismo e o supremacismo dos colonos muçulmanos, descarrega nos judeus. Nada de novo. Os bodes expiatórios servem para tudo.

 Carnaval antissemita alemão da década de 30. A História repete-se.


 Vamos então às imagens, recolhidas do the ALGEMEINER:

O notório Carnaval na Bélgica apresentou novamente estereótipos judaicos, apesar da condenação generalizada em 2019.

Por Associated Press via UNITED WITH ISRAEL

O desfile do Carnaval de Aalst incluiu representações estereotipadas de judeus pelo segundo ano consecutivo e o governo belga disse que o antissemitismo no festival de três dias embaraçava a nação e colocava em risco a sociedade.


O Carnaval foi retirado da lista de património imaterial da UNESCO no ano passado, depois de um carro alegórico repleto de símbolos antissemitas ter recebido condenação em todo o mundo. Apesar de todas as advertências, este ano voltaram a atacar os judeus.


O presidente de Aalst, Christoph D'Haese, com um folião.


"Embora o Carnaval da Aalst seja muito mais do que isto, estes factos prejudicam os  nossos valores e a reputação do nosso país", afirmou a primeira-ministra Sophie Wilmes em comunicado.

No início desta semana, Israel pediu à Bélgica que desistisse dos motivos antissemitas no Carnaval de Aalst. No entanto, um grupo no domingo andou pelo desfile vestido como insectos, com exagerados chapéus de pele usados ​​por alguns judeus ultraortodoxos.

 

O presidente do comité do festival, Dirk Verleysen disse que carros alegóricos ou indivíduos "que excedam todos os limites" da decência seriam retirados do desfile, mas elementos ofensivos apareceram.

Wilmes sugeriu que as autoridades verificassem se poderiam agir.

“A Bélgica é um Estado de Direito. Cabe ao Departamento de Justiça e às autoridades interessadas verificar se os eventos durante o Carnaval estão a violar a Lei. ”

Ele disse que estereótipos que estigmatizam “levam à divisão. Põe em perigo a sociedade. Especificamente quando se trata de acções repetidas e conscientes.”


O presidente do município de Aalst, Christoph D'Haese, que foi criticado por tomar medidas insuficientes após a acção ofensiva do ano passado, chamou Wilmes (...) e acrescentou que "eu não vi um desfile antissemita ou racista. Pelo contrário, eu vi uma grande massa de liberdade de expressão e criatividade.” Ele tirou um tempo para posar com um folião do Carnaval usando um nariz estereotipado em forma de gancho.

O rabino-chefe Pinchas Goldschmidt, presidente da Conferência dos Rabinos Europeus, rebateu a opinião de D'Haese e disse que “a parada satírica com estereótipos caluniosos antissemitas em Aalst, Bélgica, é extremamente ofensiva e abusa do poder da liberdade de expressão, que é um ingrediente tão essencial em qualquer democracia liberal."








DOIS VÍDEOS DO FESTIVAL ANTISSEMITA:





O escritório da UE do Comité Judaico Americano solicitou imediatamente à União Europeia que investigasse o desfile.

"As autoridades belgas não fizeram nada para impedir as demonstrações antissemitas, que claramente violam os valores fundamentais da UE, baseados nas lições do Holocausto e da Segunda Guerra Mundial", disse Daniel Schwammenthal, director do Instituto Transatlântico da AJC em Bruxelas.

A esmagadora maioria das mais de 75 entradas oficiais na 92ª edição do desfile poderia ter tratado qualquer tema, desde as políticas da  câmara municipal até ao Brexit ou às mudanças climáticas globais, mas destacaram novamente o tema que causou tanto tumulto.
 
Grupos de Carnaval afirmam que o seu festival de três dias tem o direito de zombar de tudo. Mas mesmo o presidente da Flandres belga do norte, onde o festival é realizado, alertou contra insultos ou zombarias excessivas.

Um carro alegórico denominado Tribunal de Aalst”  satirizava o que é aceitável como humor e tinha três bonecos, cada um com algumas representações estereotipadas de um judeu, um muçulmano e um padre católico romano. Alguns grupos menores também contavam com estereótipos judaicos para as suas apresentações.

O Carnaval na cidade industrial de Aalst tem as suas raízes na Idade Média e geralmente apresenta carros alegóricos satíricos que visam os políticos locais e os poderosos.
As festividades do ano passado exibiram um carro alegórico com judeus com características exageradas em cima de sacos de dinheiro. As caricaturas recordavam a propaganda antissemita da Idade Média e da Alemanha nazi.

Aalst é um dos Carnavais mais famosos da Europa e geralmente é uma celebração de humor e sátira desenfreados e sem restrições. Políticos, líderes religiosos e ricos e famosos são incansavelmente ridicularizados durante o festival de três dias antes da Quaresma Católica Romana.

A UNESCO, grupos judaicos e a UE condenaram o carro do ano passado como antissemita, com a UE dizendo que evocou visões da década de 1930.

POST-SCRIPTUM

Entretanto, chegou-nos mais esta, de Espanha; alguém achou boa ideia homenagear os 6 milhões de judeus (que foram mais de 8 milhões) assassinados no Holocausto, usando um desfile de Carnaval:



A intenção é boa, mas não é uma boa ideia. Como não seria uma boa ideia homenagear assim as vítimas dos massacres do Ruanda, as vítimas do Comunismo soviético, chinês ou norte-coreano, e toda e qualquer pessoa assassinada pelos regimes tirânicos deste mundo. Sobretudo quando há ainda tantos sobreviventes que perderam familiares e amigos nessas tragédias.

Trump recebido em apoteose Trump na Índia

Uma recepção apoteótica:




Um discurso épico:


Milhões de pessoas foram para as ruas para comemorar a chegada do presidente Trump à Índia, enquanto uma multidão de mais de 110.000 mil pessoas usava chapéus brancos #NamasteTrump personalizados para homenagear o Presidente dos Estados Unidos num comício em sua homenagem no maior estádio de críquete do mundo. A música "Macho Macho Man" foi tocada quando ele entrou.



Na próxima vez que os jornalistas lhe disserem que Donald Trump não é respeitado no cenário mundial, mostre-lhes este vídeo.


Os jornalistas só estão preocupados com o que Trump pensa da nova política do primeiro-ministro indiano Narendra Modi de dar cidadania a minorias religiosas perseguidas (não-islâmicas) de países muçulmanos vizinhos. 
Trump anunciou "um acordo comercial incrível", incluindo "o equipamento militar mais temido do planeta" no seu maior comício no estrangeiro. O primeiro-ministro Modi disse que esta visita mostra que os laços entre Índia e EUA não são apenas uma parceria. Ele acrescentou que esta é a união das democracias mais antigas e maiores do mundo e também disse que os laços Índia-EUA se tornaram mais profundos desde que Trump foi eleito Presidente.

- Via BARE NAKED ISLAM.

Este post fica na nossa secção:
 


Mais alguns vídeos:



segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Bélgica volta a fazer desfile antissemita de Carnaval


Década de 1930, na Alemanha. A seguir, foi o Holocausto.
Se calhar, a aversão a este "Carnaval" belga não é "esquisitice" dos judeus, mas um justo temor...


No ano passado já tinha havido disto e muito mais (paródia com os campos de extermínio nazis, por exemplo):

Carnaval anti-semita na Bélgica






Toda a argumentação sobre "sentido de humor" e "é Carnaval, ninguém leva a mal", cai por terra ante a evidência de que NINGUÉM NA EUROPA SE ATREVERIA A SATIRIZAR O ISLÃO, por muito que seja Carnaval.
A Bélgica tem sido varrida por ataques terroristas islâmicos, mas quem eles odeiam é aos judeus, o eterno saco de pancada de todas as frustrações.

Desfile antissemita da Bélgica ridiculariza judeus como insectos


"Este tipo de antissemitismo lembra alguns dos momentos mais sombrios do passado da Europa", disse o rabino Pinchas Goldschmidt, presidente da Conferência dos Rabinos Europeus.

Por Benjamin Kerstein, The Algemeiner
via UNITED WITH ISRAEL.

Imagens perturbadoras surgiram no domingo do Carnaval anual de Aalst, na Bélgica, mostrando um número impressionante de temas, roupas, exibições e declarações antissemitas.
 
O jornalista israelita Raphael Ahren documentou pessoas vestidas como caricaturas de judeus ortodoxos, um falso "muro das lamentações" que atacava os críticos do desfile, e personagens e bonecos flagrantemente antissemitas, vestindo roupas tradicionais judaicas e narizes enormes.

Há também um vídeo de participantes vestidos com imitações exageradas de roupas usadas por judeus hassídicos com pernas de insecto presas ao seu torso. (Nota do Tradutor: contamos fazer mais uma postagem a mostrar as imagens).

O rabino Pinchas Goldschmidt, presidente da Conferência dos Rabinos Europeus, condenou a marcha numa declaração dizendo: “O cortejo satírico com  calúnias antissemitas em Aalst, na Bélgica, é extremamente ofensivo e um abuso do poder da liberdade de expressão, que é tão ingrediente essencial em qualquer democracia liberal".

"O pior é que este tipo de antissemitismo é um lembrete de alguns dos momentos mais sombrios do passado da Europa: não víamos judeus rotulados com uma estrela de David amarela desde os anos 30"
, disse ele. Não podemos fingir que estas imagens são algum tipo de brincadeira ou não causam medo. Simplesmente não é aceitável que líderes mundiais, como o Rei da Bélgica, declarem 'nunca mais' há uma semana e depois permaneçam alheios quando esses símbolos aparecerem nas ruas apenas algumas semanas depois”.

"Após os protestos internacionais do ano passado contra motivos antissemitas no Carnaval de rua de Aaalster ... os organizadores deveriam ter percebido que esses motivos antissemitas contribuem
precisamente para o ressurgimento do antissemitismo na Europa", afirmou Goldschmidt.

O embaixador de Israel nas Nações Unidas, Danny Danon, também condenou a marcha e a sua "demonização do povo judeu".


Como o Algemeiner relatou na quinta-feira, este Carnaval é um evento anual enraizado desde os tempos medievais e foi reconhecido em 2010 pela UNESCO - a agência cultural e educacional da ONU - como pertencente à "Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade". No ano passado, esse status foi revogado, devido ao que a UNESCO condenou como uma "repetição recorrente de representações racistas e antissemitas".


O último desfile de Carnaval, em Março de 2019, incluiu um carro alegórico com duas figuras gigantes de judeus religiosos, representados como caricaturas com cachos laterais e narizes grandes, sentados em grandes sacos de dinheiro. Outro carro alegórico apresentava dançarinos usando toda a parafernália do Klu Klux Klan, enquanto outros bonecos em exibição zombavam grosseiramente dos negros. Dezenas de foliões foram vistos usando “blackface”.

Os Carnavais anteriores incluíram um carro alegórico que mostrava indivíduos vestidos como oficiais das SS nazis ao lado de judeus ortodoxos, com uma exibição de cartuchos rotulados como "Zyklon B" - o gás venenoso usado pelos nazis no campo de extermínio de Auschwitz.

Felipe Neto recomenda SODOMIA

  Olavo de Carvalho avisou - é atrás das crianças que eles andam! Felipe Neto, o ídolo da juventude, o queridinho do Sistema, o modelo para ...