segunda-feira, 30 de setembro de 2019

500 cientistas de topo arrasam alarmismo climático

Milhões de pessoas têm de viver na MISÉRIA, porque os esquerdistas ocidentais alimentam nas suas cabecinhas a ideia de que viver nestas condições é o Paraíso e o ambientalismo na sua mais bela expressão.
Idiotas de computador Apple Macintosh, a beberricarem lattes fair trade no Starbucks, decretam que o povoléu do "Terceiro Mundo" tem de agradecer viver em sociedades "puras" e não industrializadas.
Como é bom morrer de fome e de doenças facilmente tratáveis, para que os meninos mimados ocidentais sonhem com o Shangri-La e vão lá nas férias tirar umas fotos para mostrar aos amigos.
São pobrezinhos e assim devem continuar, que matar a fome gera muita pegada de carbono e aquece muito o planeta. Pá.

Esta postagem é mais uma "bomba" para a nossa secção

MARXISMO CULTURAL

"Os modelos de circulação climática geral nos quais a política internacional se baseia actualmente são inadequados.
Portanto, é cruel e imprudente advogar o desperdício de triliões de dólares com base nos resultados de modelos tão imperfeitos.
As actuais políticas climáticas estão a enfraquecer desnecessariamente o sistema económico, colocando vidas em risco em países que não têm acesso a electricidade permanente e barata".

- Excerto da carta de mais 500 cientistas à ONU.  A Nova Ordem Mundial está-se nas tintas para as vidas humanas - o seu objectivo é eliminar muitos milhões delas.

Na passada sexta-feira deparámos, ao vivo e a cores, com um cortejo de zombies, "protestando" contra as alterações climáticas.

Crianças do jardim infantil, escoltadas pelas respectivas educadoras, exibiam cartazes com palavras de ordem tais como "O CAPITALISMO NÃO É VERDE" - cartazes que, viemos a saber, vieram directamente do Partido Comunista Português:

Foi assim em todo o país e em todo mundo. Vimos na TV. O falso ambientalismo (leia-se a paranóia climática) é o novo Cavalo de Tróia dos comunistas e seus compinchas islamistas e globalistas.



A Nova Ordem Mundial está a usar as crianças para promover os seus planos sinistros.
Lembramos o nosso post:

Greta Thunberg e a lavagem cerebral eco-fascista às crianças

As ditaduras gostam de usar as crianças:


Muitas vezes explicámos aqui, dando a palavra aos mais qualificados (e independentes) cientistas do mundo, que o aquecimento global antropogénico é uma TRETA. Por exemplo:

31.000 cientistas REJEITAM tese "oficial" do aquecimento global

Agora, mais 500 cientistas de topo, com provas dadas e independência inquestionável, vieram questionar as manobras alarmistas da ONU do inenarrável Guterres.

 


Relatório climático alarmista do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas posto em causa: 500 cientistas e especialistas em clima declaram à ONU: "Não há emergência climática!". 40 especialistas franceses assinaram.

Via:

https://www.europe-israel.org/2019/09/le-rapport-alarmiste-du-giec-conteste-500-scientifiques-et-experts-du-climat-saisissent-lonu-il-ny-a-pas-durgence-climatique/

Uma carta assinada por 500 cientistas e profissionais, incluindo 40 da França, foi enviada a António Guterres, Secretário-Geral das Nações Unidas, e a Patricia Espinosa Cantellano, Secretária Executiva da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Direitos Humanos e Mudanças Climáticas.
Lançada por Guus Berkhout, geofísico e professor emérito da Universidade de Haia (Holanda), esta iniciativa é resultado de uma colaboração de cientistas e associações de treze países.
Publicada num momento em que a agenda internacional mais uma vez coloca o clima no topo da lista de preocupações, esta "Declaração Europeia sobre o Clima" visa divulgar que não há urgência ou crise climática.
Por isso, exige que as políticas climáticas sejam completamente redesenhadas, reconhecendo, em particular, que o aquecimento observado é menor que o esperado e que o dióxido de carbono, longe de ser poluente, é benéfico para a vida na Terra.

Para a ONU e para a Esquerda, uma adolescente autista de 16 anos sabe mais de Climatologia do que a nata dos cientistas mundiais.

Abaixo está uma tradução desta carta (seguida pela carta original em inglês). Circular o mais amplamente possível.

Professor Guus Berkhout
Catsheuvel 93, 2517 KA Haia
guus.berkhout@clintel.org

Excelências,
Não há emergência climática
Uma rede mundial de mais de 500 cientistas experientes e profissionais de clima e afins tem a honra de dirigir a Vossas Excelências a Declaração Europeia sobre o Clima em anexo, da qual os signatários desta carta são os embaixadores nacionais.
Os modelos de circulação climática geral nos quais a política internacional se baseia actualmente são inadequados.
Portanto, é cruel e imprudente advogar o desperdício de triliões de dólares com base nos resultados de modelos tão imperfeitos. As actuais políticas climáticas estão a enfraquecer desnecessariamente o sistema económico, colocando vidas em risco em países que não têm acesso a electricidade permanente e barata.
Pedimos que Vªas Ex.cias sigam uma política climática baseada em Ciência sólida, realismo económico e atenção real àqueles que são atingidos por políticas de mitigação caras e desnecessárias.

Pedimos que você coloquem esta Declaração na agenda da vossa próxima sessão em Nova Iorque.
Também vos convidamos a organizarem connosco, no início de 2020, uma reunião construtiva de alto nível entre cientistas de renome mundial de ambos os lados do debate climático. Esta reunião tornará efectiva a aplicação do justo e antigo princípio da boa ciência e da justiça natural, segundo o qual as duas partes devem poder ser ouvidas plena e justamente. Audiatur e altera pars!*
·         * - Que a outra parte seja também ouvida.
Respeitosamente,
Os embaixadores da Declaração Europeia do Clima:

Guus Berkhout, Professor (Holanda)
Richard Lindzen, Professor (Estados Unidos)
Reynald Du Berger, Professor (Canadá (francófono))
Ingemar Nordin, Professor (Suécia)
Terry Dunleavy (Nova Zelândia)
Jim O'Brien (República da Irlanda)
Viv Forbes (Austrália)
Alberto Prestininzi, Professor (Itália)
Jeffrey Foss, Professor (inglês Canadá)
Benoît Rittaud, Palestrante (França)
Morten Jødal (Noruega)
Fritz Varenholt, professor (Alemanha)
Rob Lemeire (Bélgica)
Viconte Monkton of Brenchley (Reino Unido)

O discurso demente e odioso de Treta Thunberg deixou abismadas as poucas pessoas que ainda gozam de alguma saúde mental:



NÃO HÁ EMERGÊNCIA CLIMÁTICA

Esta mensagem urgente foi preparada por uma rede global de 500 cientistas e profissionais. A ciência climática precisa ser menos politizada, enquanto a política climática precisa ser mais científica.

Os cientistas devem abordar abertamente as incertezas e exageros nas suas previsões do aquecimento global, e os líderes políticos devem avaliar correctamente os reais benefícios e custos da adaptação ao aquecimento global, bem como os custos reais e os benefícios esperados das medidas de combate.
Factores naturais e antrópicos causam aquecimento
  
O registo geológico revela que o clima da Terra varia desde que o planeta existe, com fases naturais frias e quentes. A Pequena Era do Gelo só terminou recentemente, por volta de 1850, por isso não é de surpreender que estejamos a passar por um período de aquecimento hoje.
O aquecimento é muito mais lento que o esperado
A Terra aqueceu para menos da metade do que foi originalmente previsto e menos de metade do que se poderia esperar com base nos elementos disponíveis. Isso diz-nos que estamos longe de entender as mudanças climáticas.
 A política climática depende de modelos inadequados
Os modelos climáticos têm muitas deficiências e dificilmente são exploráveis ​​como ferramentas de tomada de decisão. Além disso, eles provavelmente exageram os efeitos de gases de efeito estufa, como o CO2. Finalmente, eles ignoram o facto de que enriquecer a atmosfera com CO2 é benéfico.
O CO2 é o alimento das plantas, a base de toda a vida na Terra
O CO2 não é um poluente. É essencial para toda a vida na Terra. A fotossíntese é uma bênção. Mais CO2 é bom para a Natureza, torna a Terra verde: CO2 adicional no ar levou a um aumento na biomassa global das plantas. Também é bom para a agricultura, aumentando a produção agrícola em todo o mundo.
O aquecimento global não causou desastres mais naturais
Não há evidências estatísticas de que o aquecimento global esteja a intensificar furacões, inundações, secas ou outros desastres naturais semelhantes, ou a torná-los mais frequentes.
Por outro lado, as medidas de mitigação de CO2 são tão devastadoras quanto caras. As turbinas eólicas matam pássaros e morcegos, e as plantações de óleo de palma destroem a biodiversidade das florestas tropicais.
A acção política deve respeitar as realidades científicas e económicas
Não há emergência climática. Portanto, não há razão para entrarmos em pânico e ficarmos alarmados.
Opomo-nos firmemente à política inútil e irrealista de neutralidade de carbono proposta para 2050. Até que surjam melhores abordagens, o que certamente acontecerá, temos tempo de sobra para reflectir e para nos adaptarmos.
O objectivo da política internacional deve ser fornecer energia confiável e barata, permanentemente e em todo o mundo.
 Leia a carta original aqui ...


O Guterres a fazer figuras tristes.


Na França, depois de a ValeursActuelles ter noticiado esta da declaração, o HuffPost teve acesso a uma lista de signatários e acaba de publicar o seu próprio artigo, que menciona alguns nomes.
Aqui está a lista completa daqueles que assinaram pela França:
- Benoît Rittaud, Professor Associado de Matemática da Universidade de Paris-Nord, Presidente da Associação Francesa de Realismo Climático. Embaixador do DPI.
- Jean-Charles Abbé, director de pesquisa de trem do CNRS, diretor de laboratório (Estrasburgo, Nantes) em radioquímica, especialista da OTAN e da AIEA.
- Charles Aubourg, professor titular da Universidade de Pau, geofísico.
- Jean-Pierre Bardinet, engenheiro do ENSEM, publicitário em questões climáticas.
- Bernard Beauzamy, professor universitário (aposentado), presidente e director executivo da Société de Calcul Mathématique SA (Paris).
- Jean-Claude Bernier, professor emérito (Universidade de Estrasburgo), director do Instituto de Química do CNRS.
- Pierre Beslu, ex-pesquisador e chefe de departamento da Comissão Francesa de Energia Nuclear (CEA).
- Christian Buson, PhD em agronomia, director de pesquisa em uma empresa (estudos de impacto em questões ambientais, tratamento de esgotos).
- Sylvie Brunel, professora titular da Universidade Sorbonne, geógrafa e economista, presidente da organização humanitária Acção contra a Fome.
- Jean-Louis Butré, engenheiro profissional, chefe de laboratório do Centro de Pesquisa Nuclear de Grenoble, director executivo ou Farmácia Central da França, presidente da Axens, presidente da Federação do Meio Ambiente Sustentável e da Plataforma Europeia Contra Parques Eólicos, cavaleiro da Ordem Nacional de mérito.
- Patrick de Casanove, Doutor em Medicina, Presidente do Círculo Frédéric Bastiat.
- Philippe Colomban, professor de pesquisa do CNRS, ex-chefe do laboratório da Universidade Piere-et-Marie Curie, especialista em armazenamento de energia à base de hidrogénio.
- Vincent Courtillot, geofísico, membro da Academia Francesa de Ciências, director do Instituto de Física do Globo de Paris.
- Pierre Darriulat, Professor de Física, Membro da Academia Francesa de Ciências.
- Gérard Douet, PhD em Física Nuclear, Engenheiro aposentado do CERN, Gerente técnico de transmissão digital e codificação de vídeo.
- Bruno Durieux, economista, ex-ministro da Saúde e Comércio Exterior, ex-administrador do Instituto Nacional de Estatística e Estudos Económicos (INSEE) da França.
- Max Falque, Consultor Internacional em Política Ambiental.
- Patrick Fischer, Professor Associado de Matemática Aplicada, Universidade de Bordeaux.
- François Gauchenot, especialista em governança, fundador do Saint George Institute.
- Christian Gérondeau, conselheiro de vários primeiros ministros franceses. Ex-responsável pela política de segurança rodoviária para a França e a União Europeia.
- François Gervais, Professor Emérito de Física e Ciências dos Materiais, Universidade de Tours.
- Bernard Grandchamp, engenheiro agronómico e especialista em meio ambiente e defesa de plantas, director administrativo da Famoux Wine Castles em Bordeaux.
- Gilles Granereau, ex-meteorologista, actualmente gerente de projectos de meio ambiente e turismo em uma instituição pública. Trabalhou em riscos costeiros, erosão marinha, fixação de dunas, hidráulica, manejo florestal, botânica.
- Maximilian Hasler, Professor Associado de Matemática, Universidade das Índias Ocidentais Francesas.
- Philippe de Larminat, professor da Ecole Centrale de Nantes, especialista em modelagem de processos de negócios.
- René Laversanne, ex-pesquisador do CNRS, 16 patentes.
- Christian Marchal, astrónomo e matemático, pesquisador do Escritório Nacional Francês de Estudos e Pesquisas Aeroespaciais, treinado no Observatório de Paris (1980-93), professor assistente da Escola Politécnica (1981-92).
- Patrick Mellett, arquitecto e CEO.
- Marc le Menn, Chefe do Laboratório de Oceanologia Metrologia-Química, Brest.
- Cédric Moro, geógrafo em gestão de riscos naturais, co-fundador da Visov, uma ONG de Defesa Civil.
- Rémy Prud'homme, Professor Emérito de Economia da Universidade de Paris-Est, Ex-Director Adjunto de Meio Ambiente, Direcção da OCDE.
- Isabelle Rivals, Professora Associada de Estatística na ESPCI Paris.
- Jean Rouquerol, director de pesquisa emérito do CNRS de Marselha, especialista em absorção de gases e calorimetria.

(Tudo gente ignorante! A Greta é que sabe das coisas!)

Os papás da pobre Greta são militantes do grupo terrorista de extrema-esquerda ANTIFA.


De facto, os comunistas a falarem de Ambiente tem uma certa graça. Os regimes comunistas são os mais  destruidores do Ambiente - veja-se por exemplo a China, o maior poluidor do mundo, que não merece protestos das Gretas...

domingo, 29 de setembro de 2019

Bolsonaro confronta Eixo do Mal ONU


Experimente escrever "Bolsonaro ONU" no motor de pesquisa esquerdista Google. Aparecem de imediato centenas de indicações de órgãos de propaganda a soldo da Nova Ordem Mundial, denegrindo o Presidente do Brasil.
Trump e Bolsonaro são hoje dos mais destacados líderes Eixo do Bem no Mundo. A estratégia do Eixo do Mal é ridicularizá-los e diabolizá-los.
Pergunte-se a qualquer vítima da lavagem cerebral mediática, espumando ódio contra Trump e Bolsonaro, o que teve de mal este discurso. Não sabem explicar. Apenas reagem às ordens dos seus donos.
O Eixo do Mal está em pânico, por causa de guerreiros como Trump, Bolsonaro, Netanyahu e outros que vão despontando.

Trump: Futuro pertence aos patriotas, não aos globalistas



Vídeo da  

https://www.youtube.com/channel/UC1NP93n5siQcGj174KZsp0Q

O Eixo do Mal quer apagar todos os valores da Civilização Ocidental.  Começando por Deus, passando pelas independências nacionais e pela célula essencial da nossa sociedade, a família.
O Marxismo Cultural embrulha o horrendo Comunismo e os seus aliados Islamismo e Globalismo em papel de fantasia, para enganar tolos bem intencionados e pessoas impressionáveis e ingénuas em geral:

Árabes cometem fraude eleitoral em massa e roubam vitória a Netanyahu

Na sequência de:

Soros promove fraude eleitoral nas eleições de Israel

Islamistas conspiram com o esquerdista Benny Gantz


As segundas eleições legislativas deste ano em Israel só foram necessárias porque os partidos árabes cometerem fraude eleitoral em massa, roubando uma vitória expressiva ao Likud de Netanyahu.


 Netanyahu entre apoiantes.

ONG: PARTIDOS ÁRABES COMETERAM FRAUDE ELEITORAL EM MASSA E ROUBARAM A ELEIÇÃO A NETANYAHU EM ABRIL

    “Naqueles dias não havia Rei em Israel; todos faziam o que queriam.” 
Juízes 21:25 (The Israel Bible ™)

Árabes israelitas votam numa assembleia de voto na cidade árabe de Beit Safafa, em 17 de Março de 2015, nas eleições gerais de Israel para o 20º Parlamento. Foto de Miriam Alster / FLASH90

Traduzidos e adaptado de:

https://www.breakingisraelnews.com/136607/arab-parties-committed-voter-fraud-stealing-aprils-election-netanyahu/?mc_cid=ca684fb73d&mc_eid=7b7cd7fc90

Um grupo de vigilância eleitoral questiona os resultados das últimas eleições, alegando que a fraude pode ter custado a vitória a Netanyahu. O assunto ainda não foi resolvido e as autoridades eleitorais mostram-se relutantes em investigar. 
Depoimento no Supremo Tribunal 
Simcha Rothman, consultor jurídico do Meshilut (o movimento israelita de governabilidade e democracia), publicou as suas conclusões sob o título provocativo: “Eles roubaram-nos a eleição?”.

 
O título soa extremo, mas o seu testemunho na entrevista acima demonstra que o Supremo Tribunal de Israel subestima a situação, que pode continuar nas próximas eleições.

Rothman testemunhou que o partido árabe Balad se envolveu em fraudes eleitorais que deram ao seu partido mais 10.000 votos. O Meshilut começou a investigar os resultados em dez assembleias de voto e encontrou irregularidades no número de boletins de voto que foram suficientemente sérias para influenciar os resultados das eleições.
A organização submeteu as suas descobertas há quatro meses ao Comité Central de Eleições de Israel composto por membros do Knesset de vários partidos e presidido pelo juiz Hanan Melcer do Supremo Tribunal. (...) 
Rothman relatou que, depois de ter exposto as irregularidades na contagem dos boletins de voto na vila árabe de Kasra Smia, o juiz Meltzer anunciou que as irregularidades representavam fraude nas eleições. Essa fraude também ocorreu às custas do Likud.

Note-se que as eleições nacionais israelitas em Abril terminaram em um empate de 35 cadeiras entre o Likud e o partido Azul e Branco. Netanyahu, à frente do Likud, foi encarregado de organizar uma coligação, mas não teve sucesso

Após a eleição, o comité eleitoral anunciou que 28.000 votos inválidos foram lançados. Esses votos foram desqualificados. Alguns culpam o sistema antiquado e decididamente de baixa tecnologia de Israel, no qual os israelitas votam colocando tiras de papel impressas num envelope e colocando o envelope numa caixa grande.

Ayman Odeh, líder da Lista Árabe Conjunta, que apoia o terrorismo antissemita e a destruição de Israel, lança o seu voto. Esta é hoje a terceira força eleitoral em Israel. Nos países islâmicos os judeus não podem entrar ou são mantidos em guetos.


Aldeias árabes super-representadas em fraudes eleitorais

O Meshilut observou que há aproximadamente 140 outros locais de votação com irregularidades, que estão actualmente sob investigação:

"O juiz Melcer sabia absolutamente com 100% de certeza de que os resultados que ele anunciou no dia seguinte às eleições de Maio não reflectiam os verdadeiros resultados das eleições".
Nota do Tradutor: Em Israel, como noutros países democráticos, a Esquerda apodera-se da sistema judicial, da Imprensa, da cultura, do entretenimento, do ensino, e de tudo quanto podem, promovendo o chamado Marxismo Cultural, uma estratégia esquerdista de lavagem cerebral de massas para a tomada do poder, já que pelo voto ou pela força das armas eles não vão lá...
Os colonos árabes vão orgulhosamente votar com o lenço de pescoço à Arafat, símbolo do terrorismo islâmico.

Quase todas os boletins de voto fraudulentos ​​ocorreram em vilas árabes e Rothman afirmou que, na sua estimativa com base nas investigações em andamento, se os boletins irregulares ​​tivessem sido desqualificadas, o Balad não teria ultrapassado o limite mínimo de representação no Knesset.

"Assim como o juiz Meltzer eliminou os votos de Kasr Smia por irregularidades, ele deveria ter eliminado todas as outras vilas que sabemos que têm irregularidades ainda piores", afirmou Rothman. Ele observou que os detalhes sobre essas irregularidades são confidenciais para os juízes supervisores.

  
Que outro país do mundo permite que partidos abertamente terroristas se apresentem a eleições?


Netanyahu foi fortemente criticado por colocar câmaras de segurança nas assembleias de voto árabes. A aliança Arab Hadash-Ta'al registou uma reclamação solicitando a remoção de 1.200 câmaras ocultas.
Deve-se notar também que 35 funcionários do Balad, um dos quatro partidos de maioria árabe que compõem a Lista Conjunta, estão a ser indiciados por falsificação e fraude relacionados com os seus relatórios sobre o financiamento de campanhas que envolvem a apropriação indevida de 690.000 dólares de fontes estrangeiras para a campanha. O partido rejeitou as acusações, alegando que elas faziam parte da "perseguição política".

"Os juízes sentam-se numa sala selada e enviam-nos um fax informando quem venceu as eleições, sem nos permitir ver os detalhes", disse Rothman. “Devemos estar muito preocupado com as próximas eleições".

 .........................................................


BREVE COMENTÁRIO 

"A liberdade que vá para o Inferno!" - Muçulmanos no Reino Unido.

1 - Há alguns países árabes e muçulmanos que pouparam meia dúzia de judeus do genocídio, e permitem que eles lá vivam, em guetos, apenas para os apresentarem ao mundo como "prova" de que os muçulmanos são "tolerantes". No Egipto, o país árabe mais populoso do mundo, existem... 6 judeus!
2 - Em Israel, os invasores muçulmanos, hostis ao Estado e apoiantes do terrorismo antissemita, contam-se já em milhões. E vão a votos.
3 - NENHUM país árabe ou muçulmano tem eleições livres. As eleições no mundo árabe e islâmico são palco de fraude eleitoral generalizada e só são admitidos os partidos que o poder tolera (ou seja: as pessoas votam basicamente no mesmo partido sob nomes diferentes).

  

"Não queremos democracia: apenas Islão!".


4 - A democracia não está na mentalidade árabe ou islâmica. Para os muçulmanos, o Islão é a Lei Suprema e a democracia nada significa. O Islão, como todas as sociedades bárbaras, valoriza apenas o poder e a força. As disputas no mundo islâmico não são entre países ou ideologias, mas entre tribos e versões do Islão.
5 - Tendo em conta esta realidade, não é de estranhar que os árabes em Israel se unam e façam de tudo para sabotar o único Estado judeu do mundo. O Islão ordena-lhes que exterminem os infiéis, a começar pelos judeus. Cá na Europa, fazem o mesmo. Tal como os judeus, nós somos estúpidos e suicidas por albergarmos colonos que pugnam abertamente pela nossa destruição. Em países como a Dinamarca, o Reino Unido, a Suécia, a França, os muçulmanos estão a usar a democracia (que odeiam) para chegarem ao poder e acabarem com a democracia.

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Soros promove fraude eleitoral nas eleições de Israel

Na sequência de:

Islamistas conspiram com o esquerdista Benny Gantz

Netanyahu vai liderar novo governo em Israel


Relatos de fraude eleitoral em aldeias árabes no meio de tumultos


    "A mente de um homem sábio tende para a mão direita, a de um tolo para a esquerda."
Eclesiastes 10: 2 (The Israel Bible ™)


A Polícia israelita relatou fraude eleitoral em pelo menos três assembleias de voto na vila árabe de Yarcha. A Polícia relatou tentativas de fazer entrar na urna vários boletins de voto de uma só vez. A votação em Israel é feita colocando um pedaço de papel num envelope e inserindo o envelope numa urna. O comité eleitoral fechou as três assembleias de voto até que o assunto ficasse esclarecido. Como resultado, essas mesas de voto permaneceram abertas até à meia-noite.


A Polícia foi forçada a fechar uma assembleia de voto na vila árabe de Umm devido a violentos distúrbios no local. A revolta foi uma reacção a um observador do Likud que chegou à mesa de votação. Houve relatos de distúrbios numa assembleia de voto na cidade de Ariel.

Em preparação para o dia das eleições, um recorde de 20.000 polícias uniformizados e à paisana e 3.000 observadores do Comité Central de Eleições equipados com câmaras foram destacados para as 10.700 secções eleitorais de Israel no dia em que o país saiu para votar na segunda eleição geral este ano.

De acordo com uma reportagem do Canal 13, a maioria dos polícias usou câmaras corporais, e os observadores foram instruídos a notificar a Polícia se alguém além deles fosse visto a filmar as assembleias de voto. A Polícia também estava presente em áreas recreativas, já que o dia das eleições é um feriado nacional e muitos israelitas aproveitam a oportunidade para tirar umas mini-férias.

Não fora a fraude eleitoral em massa cometida pelo globalista Soros e Netanyahu teria ganho destacado a eleição de Abril deste ano (falaremos disso em breve).

Netanyahu foi criticado por alegar fraude eleitoral generalizada no sector árabe, mas uma exposição recente nas notícias do Maariv revelou que as suas reivindicações eram justificadas.

Além dessas alegações, o Comité Central de Eleições emitiu uma ordem contra o plano da ONG de esquerda Zazim de organizar e financiar o transporte de 15.000 eleitores árabes para as assembleias de voto no dia das eleições. O comité decidiu que a iniciativa viola as leis eleitorais de Israel.

A organização Zazim é uma ONG anti-Israel que é financiada pelo New Israel Fund (NIF). O NIF é apoiado pelo bilionário globalista George Soros.

Apesar da ordem judicial, os comunistas e islamistas ao serviço de Soros  coordenaram a fraude e os desacatos no dia das eleições.


O Canal 13 relatou uma participação extraordinariamente alta de eleitores árabes na manhã de terça-feira. "Surpreendentemente, altos níveis de participação no sector árabe", disse Eli Levi, do Canal 13, enquanto relatava da cidade árabe-israelita de Kfar Manda, na Galileia. "Filas longas nas urnas desde o início da manhã e um alto nível de interesse que não vejo há muitos anos."

Os partidos árabes geralmente apoiam os governos de esquerda.


https://www.breakingisraelnews.com/137335/reports-of-election-fraud-in-arab-villages-amid-riots/

Islamistas conspiram com o esquerdista Benny Gantz


Só em Israel!, o único país do mundo a quem a comunidade internacional obriga a que sente no Parlamento terroristas que apoiam o genocídio dos nativos e a instalação de mais um Estado islâmico. 
Seria como se em Portugal os racistas separatistas do Nzingalis fossem admitidos no Parlamento.

Partido Azul e Branco acusado de conspirar com a Lista Árabe para garantir que Netanyahu consiga primeiro o mandato e falhe


Ayman Odeh, árabe, muçulmano, antissemita, pró-terrorista, líder da 3ª força no Parlamento israelita.


Via:
https://worldisraelnews.com/white-and-blue-asked-for-faction-of-arab-joint-list-to-retract-gantz-recommendation/?utm_source=MadMimi&utm_medium=email&utm_content=Netanyahu%3A+Broadcast+My+Corruption+Hearings%3B+Iran+Likely+to+Launch+Cruise+Missiles+at+Israel+from+Iraq%3B+Head+of+Israel%27s+%27NRA%27+Warns+Against+Strict+Gun+Laws&utm_campaign=20190926_m154226232_Netanyahu%3A+Broadcast+My+Corruption+Hearings%3B+Iran+Likely+to+Launch+Cruise+Missiles+at+Israel+from+Iraq%3B+Head+of+Israel%27s+%27NRA%27+Warns+Against+Strict+Gun+Laws&utm_term=Blue+_26+White+Party+Accused+of+Conspiring+with+Arab+List+to+Ensure+Netanyahu+Gets+Mandate+First+and

Se todos os 13 membros da lista conjunta recomendassem Gantz, o líder azul e branco teria mais dois endossos do que Netanyahu.


A decisão do presidente Reuven Rivlin de dar ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu o mandato para formar o próximo governo pode ter sido influenciada por uma táctica política usada pela facção Azul e Branca.
 
O deputado Ayman Odeh, chefe da Lista Conjunta, uma facção de quatro partidos parlamentares não sionistas predominantemente árabes, disse num vídeo ao vivo no Facebook que havia sido contactado por Ofer Shelah, do partido Azul e Branco, após a eleição para o Knesset em 17 de Setembro. Em virtude da conquista de 13 cadeiras na votação, a Lista Conjunta árabe é a terceira maior facção do Knesset, depois do Azul e Branco e do Likud.



A escolha nestas eleições foi entre um futuro para Israel ou a sua aniquilação.


De acordo com Odeh, Shelah pediu que ele permitisse que apenas dez membros da facção endossassem o líder azul e branco Benny Gantz para a nomeação ministerial principal quando se reuniram com Rivlin.

O líder da Lista Conjunta árabe alega que Shelah fez o pedido para garantir que Gantz não receba a maioria das recomendações, entre os 120 membros do Parlamento, numa tentativa de influenciar o presidente a dar a Netanyahu o mandato de formar primeiro um governo.




Resultados eleitorais.

A Imprensa israelita tinha relatado que nem Netanyahu nem Gantz pareciam querer ser escolhidos primeiro, porque cada um achava que o candidato a receber a primeira chance de formar uma coligação fracassaria, mas o segundo teria uma melhor chance de formar uma maioria, em parte porque o tempo se esgotaria antes de uma terceira eleição precisar ser convocada, pressionando todos os partidos a comprometerem-se no sucesso do segundo governo.

Entrevistado pela Rádio IDF na quinta-feira, Shelah disse que não determinou para a Lista Conjunta que recomendação fazer. Por fim, no entanto, os três deputados do Balad, um dos partidos da Lista Conjunta, não apoiaram a recomendação de Gantz.

A medida foi vista como um sinal pelo Balad, amplamente considerado em Israel como o mais extremista dos partidos árabes não sionistas, de que desejava continuar a prática entre esses partidos de não recomendar nenhum candidato, porque tal poderia ser visto como reconhecimento de Israel como o Estado judeu.

O Balad defende apagar a identidade judaica do Estado de Israel em favor de um "Estado de todos os seus cidadãos".
Nota do Tradutor: Existem 57 Estados islâmicos, cuja Constituição é o Corão e a lei religiosa islâmica, a sharia, mas não pode existir o único Estado judeu do mundo.
Nos países islâmicos só podem concorrer a eleições partidos islamistas autorizados, ou seja: não há eleições livres.
Nos países islâmicos não é no geral permitida a entrada a judeus e a cães.

O Comité Central de Eleições de Israel proibiu duas vezes o Balad de participar nas eleições para o Knesset. O Supremo Tribunal de Israel anulou as decisões, este ano.
Nota do Tradutor: O Supremo Tribunal de Israel, como outras instituições, está nas mãos dos árabes e da esquerda (vulgo judeus suicidas).
O fundador do Balad, Azmi Bishara, foi acusado de traição e apoio ao terrorismo e fugiu de Israel em 2007.

O terrorista islâmico Azmi Bishara

Netanyahu recebeu 55 recomendações para o cargo de primeiro-ministro, contra 54 para Gantz. Se todos os 13 membros da lista conjunta recomendassem Gantz, o líder azul e branco teria mais dois endossos do que o primeiro-ministro em exercício.

Netanyahu vai liderar novo governo em Israel


Ainda não tínhamos falado das eleições legislativas em Israel realizadas a 17 de Setembro. Foram as segundas eleições legislativas este ano no país. As de Abril não deram uma maioria clara a nenhum partido, de modo a poder formar governo. E desta vez a coisa repetiu-se. Agora foi o partido Azul e Branco (centro-esquerda) a vencer por margem mínima o partido Likud (centro-direita).
Como de costume, George Soros financiou fraude eleitoral em massa para tentar levar os árabes ao poder - mas disso falaremos mais tarde.
O que vos damos conta agora é que Netanyahu está a caminho de chefiar novo governo. O que é bom, pois o partido Azul e Branco, do esquerdista Benny Gantz, preparava-se para entregar Israel de mão beijada aos colonos árabes.
O presidente Reuven Rivlin encarregou Benjamin Netanyahu de formar o próximo governo depois que as negociações para um governo de unidade nacional terem falhado. O líder do Likud tem o apoio de 55 deputados e agora precisa descobrir como conseguir pelo menos mais seis para conseguir governar de forma viável.



Presidente israelita Rivlin pediu a Netanyahu para formar um novo governo 
Continuam a registar-se uma série de divergências entre Netanyahu e Gantz na composição e nas políticas de um governo de unidade nacional.

Após a divulgação oficial dos resultados finais das eleições para o Knesset (Parlamento de Israel) em 17 de Setembro, o presidente Reuven Rivlin deve anunciar em breve a nomeação do primeiro-ministro em exercício Benjamin Netanyahu para formar uma nova maioria no Parlamento, de acordo com o jornal Ynet.

Os resultados finais mostram que o partido Likud de Netanyahu ganhou mais um assento do que o esperado, perdendo apenas por um lugar - 33 contra 32 do partido Azul e Branco, liderado por Benny Gantz.

Netanyahu é visto como tendo uma chance ligeiramente maior de obter a maioria de apoiantes no Parlamento.


O Azul e Branco venceu o Likud por 33 deputados contra 32.

"Numa reunião agendada para quinta-feira à noite na residência do presidente, Netanyahu e o líder do Azul e Branco, Benny Gantz, informaram o presidente sobre o andamento das negociações para a formação de um governo de unidade".

No entanto, mesmo antes disso, "Rivlin planeia instruir o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu para formar um governo de coligação, independentemente da evolução das negociações entre os dois principais partidos"
, disse o Ynet. 
Uma fonte do gabinete do presidente disse que esta possibilidade aberta para Netanyahu não significaria "em caso algum" que Rivlin tivesse desistido da ideia de um governo de unidade nacional.

"Ele acha que o governo de unidade nacional é uma ideia melhor. Nomear Netanyahu seria apenas uma etapa para iniciar o processo", disse a fonte.


Ayelet Shaked em campanha eleitoral


A deputado eleita, Ayelet Shaked, líder do partido de direita Yamina, instou Netanyahu a não abandonar os partidos de direita nos seus esforços para formar um governo.

O deputado Avigdor Liberman, que pediu uma coligação pela unidade, disse que o primeiro-ministro cessante deve ser flexível na criação de um governo desse tipo.
Na reunião desta quinta-feira, e após divergências inconciliáveis, Netanyahu foi encarregado de formar governo.
"Netanyahu terá 28 dias para formar uma coligação e, se ele falhar, poderá pedir mais tempo. O presidente tem a prerrogativa de conceder uma extensão ou não", disse o Ynet. Rivlin já indicou que, nesse caso, não pode dar uma extensão e pode designar outro candidato.


Avigdor Liberman, ex-ministro da defesa de Netanyahu, foi o principal obstáculo à formação de governo em Abril.  Liberman tem-se mostrado um inimigo acérrimo das facções religiosas no Parlamento.

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Treta Thunberg passa-se dos carretos na ONU (VÍDEO)


A jovem sueca Greta Thunberg (16 anos, a caminho de 17) é autista e sofre de depressão crónica, porque os pais a doutrinaram desde criança na nova religião do aquecimento global antropocêntrico. A jovem não vai às aulas, porque afirma que tem de salvar o planeta Terra. Os pais afiançam que ela consegue ver o C02 a olho nu.
Esteve nas Nações Unidas, a  espalhar a sua mensagem de terror e ódio, com um discurso que deixou estupefactas as pessoas que ainda gozam de alguma sanidade mental.

Dinesh D' Souza, norte-americano de origem indiana e portuguesa, foi dos que lembrou a estratégia nazi das meninas de loiras tranças.

Muita gente diz que ela se parece cada vez mais com Hitler, nos seus esgares de cólera. Muitos lembram que o demoníaco ditador também usava meninas de tranças loiras para passar as suas mensagens apocalípticas.


Na nossa secção MARXISMO CULTURAL já apresentámos provas mais que suficientes de que a TRETA do aquecimento global de origem humana visa apenas paralisar o Mundo Livre e extinguir os seus habitantes. Por exemplo:

Epidemia global de 'eco-ansiedade' atinge crianças

Greta Thunberg e a lavagem cerebral eco-fascista às crianças

31.000 cientistas REJEITAM tese "oficial" do aquecimento global




Mas não é preciso ser-se cientista ou estudar Climatologia para se ver a milhas que a Greta e os seus seguidores nada dizem contra países como a China e a Índia (os maiores poluidores do mundo).
É apenas a Civilização Ocidental, Judeo-Cristã, e as pessoas brancas que "aquecem" o planeta!


 
A extrema-esquerda não hesita em usar crianças (mesmo crianças doentes, como a pobre Greta) na sua eterna luta pela destruição do Mundo Livre.


Via:
https://www.europe-israel.org/2019/09/video-la-fanatique-suedoise-et-autiste-greta-thunberg-deraille-a-lonu-et-attaque-la-france-en-justice/

[Vídeo] Greta Thunberg, fanática sueca autista, encoleriza-se na ONU e leva a França a Tribunal

A fanática e autista sueca Greta Thunberg disse na segunda-feira, na abertura de uma conferência das Nações Unidas, que lhe roubaram a infância com "palavras vazias". 
Num longo monólogo, a jovem sueca atacou violentamente os líderes mundiais pela sua inacção contra as mudanças climáticas. Antes de anunciar uma acção judicial contra cinco países.

Ela está enraivecida, e mostrou-o. Greta Thunberg foi uma das convidadas das Nações Unidas na terça-feira, relata o Le Monde. A jovem sueca participou numa cimeira sobre a emergência climática e teve o direito de falar. Desde o início do seu discurso, ela deixou fluir a sua raiva abertamente.
 
"Eu não deveria estar aqui, eu deveria estar na escola do outro lado do oceano. [...] como é que vocês se atrevem? Vocês roubaram os meus sonhos e a minha infância com as vossas palavras vazias - disse  veementemente. "As pessoas estão a sofrer, as pessoas estão a morrer. Ecossistemas inteiros estão em colapso, estamos no início da extinção em massa e tudo o que vocês falam é sobre dinheiro e o conto de fadas do eterno crescimento económico. Como se atrevem?" - continuou ela, com lágrimas nos olhos, diante de uma plateia de líderes.


"Este discurso da activista de extrema-esquerda Greta Thunberg é pura loucura", escreveu Ryan Saavedra.

A jovem de 16 anos também questionou a honestidade dos líderes sobre a urgência da situação:
"Vocês dizem que nos ouvem [...] mas eu não acredito".
Alguns minutos antes, o secretário-geral da ONU, António Guterres, repetiu a prontidão dos Estados em combater o aquecimento global. "A emergência climática é uma corrida que estamos a perder, mas podemos vencer."
"Nunca vos perdoaremos"

No entanto, para Greta Thunberg, a mobilização dos últimos dias prova que os jovens não querem mais que nada aconteça. "Se vocês decidirem decepcionar-nos, eu aviso-vos, nunca vos perdoaremos. Não vamos deixar-vos escapar disto ", disse ela.


Minutos após o seu discurso, Greta Thunberg lançou uma nova ofensiva contra vários países, mas desta vez na frente legal, relata o Le Figaro. Com outros 16 jovens, ela apresentou uma queixa sem precedentes contra cinco países poluidores: França, Alemanha, Argentina, Brasil e Turquia. Esses jovens de 8 a 17 anos, de doze países, receberam apoio de um escritório de advocacia internacional (Hausfeld) e a bênção da Unicef. Desde 2014, um "protocolo operacional" autoriza as crianças a apresentarem queixa perante o Comité dos Direitos da Criança da ONU.

Durante o dia, a ONU indicou que 68 países haviam aderido à meta de neutralidade de carbono até 2050 e também se comprometeram a rever o seu plano climático até 2020. Na sequência, Emmanuel Macron apressou-se a responder a Greta Thunberg convidando os líderes a envolverem-se mais no clima. "Não podemos deixar a nossa juventude aparecer todas as sextas-feirsa. Não podemos ver a nossa juventude, em estado de sofrimento, às vezes de emoção, como vimos anteriormente".

.....................................................................................
 


Criado para todo o serviço.


Não é a politica de fronteiras abertas que já meteu mais de 80 milhões de colonos muçulmanos hostis na Europa, que preocupa a ONU, o Guterres, o Macron, o PSOL, o Bloco de Esquerda, o Marcelo Rebelo de Sousa, e toda a caravana da Nova Ordem Mundial!
Não são as ditaduras comunistas e islâmicas ou a jihad global e o consequente genocídio de cristãos e outras minorias, que preocupam a supra-citada corja!
O que os preocupa é que as pessoas brancas devem parar de se reproduzir, porque, por qualquer razão só deles conhecida, aquecem o planeta Terra: 

Felipe Neto recomenda SODOMIA

  Olavo de Carvalho avisou - é atrás das crianças que eles andam! Felipe Neto, o ídolo da juventude, o queridinho do Sistema, o modelo para ...