quarta-feira, 23 de março de 2022

"António Costa espalhou a propaganda do Kremlin na União Europeia?" - TOTALNEWS

Esta postagem fica arquivada na secção TOTALNEWS

 

Espião de Putin no gabinete do primeiro-ministro de Portugal: Como António Costa espalhou a propaganda do Kremlin na União Europeia?

 


Por João Lemos Esteves - TNA

O mundo, e em particular a Europa, ouviu o presidente do Governo português, António Costa, discursar na Cúpula Empresarial Ibero-Americana. Diplomatas europeus e até latino-americanos ficaram impressionados com a intervenção de António Costa. Alguns riram ouvindo as alucinações do chefe de governo português. Outros ficaram surpresos com a irresponsabilidade sem precedentes de um chefe de governo de qualquer país, muito menos um Estado-Membro da União Europeia e um aliado da OTAN. 

Então, o que é que António Costa disse? Que a Europa deve acelerar, criar um mecanismo mais rápido para aprovar a vacina russa sputnik V contra o Covid-19, bem como o SINOPHARM chinês. 

Um meio de comunicação português chegou a escrever, seguindo as diretrizes do gabinete do primeiro-ministro (como sempre acontece em Portugal, onde a liberdade de imprensa e de pensamento diminui a cada dia que passa, num processo semelhante ao da Rússia de Putin), que "Costa está a pressionar pela aprovação europeia da vacina russa". 

Portugal era, portanto, uma voz praticamente isolada na Europa exigindo a rápida aprovação da vacina SPUTNIK V do regime de Putin. Quem estava com António Costa em defesa do RUSSO SPUTNIK V? Apenas os fantoches mais ou menos declarados do regime de Vladimir Putin na Europa. A diplomacia europeia – assim como vários líderes políticos transatlânticos – ficou absolutamente surpresa com tais declarações fora de sintonia com a mínima lucidez política por parte do primeiro-ministro de Portugal.

Além disso, num momento em que a Europa identificou o problema da interferência russa no processo político democrático em vários países da Europa Central e Oriental (especialmente), organizando, directa ou indirectamente, ataques cibernéticos contra os EUA e países europeus, Putin elevou o tom na sua retórica anti-OTAN. 

Sem esquecer que os serviços secretos de informações da OTAN havia identificado vários vazamentos de informações confidenciais, a partir do sul da Europa, que comprometeram a segurança das operações militares da Aliança Atlântica, bem como a própria integridade das instalações da OTAN na Europa. 

A maioria dessas informações chegou ao Kremlin: umas vezes directamente; outras indirectamente, gerenciando grupos financiados pelo Kremlin. Logo depois, grupos de extrema-direita e de extrema-esquerda em Roma planeavam ataques às instalações da OTAN que, felizmente, foram capazes de ser neutralizados no devido tempo. 

Agora, a aprovação da vacina SPUTNIK V foi uma parte fundamental da propaganda do regime de Putin para ganhar influência no contexto europeu e eventualmente usá-la contra os EUA, criando uma narrativa (que agora está tentando, no contexto atual da invasão contra a Ucrânia por si ordenada, inventar) do crescente isolamento internacional dos EUA. 

Isso foi pensado para condicionar as ações do presidente Joe Biden, que tinha acabado de tomar posse como líder do mundo livre, e para aproveitar o acordo que tinha acabado de ser assinado, por iniciativa de Angela Merkel, com a China.

Assim, o Pacto China-Rússia desenvolver-se-ia dentro da União Europeia: assim, Putin e Xi Jinping encurralaram os Estados Unidos e os Estados europeus, reduzindo o escopo das suas opções geopolíticas. 

Não surpreende que uma breve visita às agências de notícias russas – especialmente a SPUTNIK e a RT – mostre que a pressão sobre os reguladores europeus e latino-americanos (os dois blocos representados na conferência em que o primeiro-ministro português António Costa falou) foi uma peça central, repetida várias vezes pela propaganda oficial do regime autoritário de Vladimir Putin. 

Agora, o primeiro-ministro português, sem qualquer vergonha, limitou-se a reproduzir os argumentos, o tom e as prioridades da propaganda do regime de Vladimir Putin. Como um meio de comunicação próximo ao primeiro-ministro português e do seu gabinete escreveram: "Costa está a pressionar pela aprovação na Europa da vacina russa". 

O governo português foi mais longe na defesa da Rússia e de Putin do que o regime russo já havia feito no meio de uma Europa unida... Vale lembrar também que António Costa, quando reproduziu o argumento central da propaganda russa, não era apenas o primeiro-ministro de Portugal, mas também presidente do Conselho Europeu em exercício.

Quase um ano depois, esta defesa de uma peça-chave da propaganda de Vladimir Putin e seu regime pelo primeiro-ministro de Portugal António Costa deve ser analisada com ainda mais atenção e zelo. 

Isso porque já é público e inegável que o gabinete do PM de Portugal – e hoje, o centro de coordenação de todo o Governo, que é a Presidência do Conselho de Ministros, através do qual todas as informações do Estado passa – tem um espião ao serviço da Rússia de Vladimir Putin. 

Daí surge uma pergunta inevitável: quando António Costa defendeu a vacina russa SPUTNIK V e a sua aprovação na União Europeia (contra todas as opiniões científicas e cálculos geopolíticos razoáveis), ele estava a repetir as informações enviadas por Alexandre Guerreiro? Das pessoas próximas a António Costa que protegem Alexandre Guerreiro ao serviço dos interesses russos de Putin? E Alexandre Guerreiro impôs ao primeiro-ministro de Portugal um discurso encomendado pelo Kremlin, quando visitou Moscovo ou quando foi convidado para os institutos políticos do Kremlin? 

Foi Alexandre Guerreiro quem lhe apresentou as "opiniões legais" (vamos chamá-lo assim) para que António Costa defendesse o indefensável, quase porta-voz da propaganda russa, na cúpula ibero-americana? 

Como se pode ver, Alexandre Guerreiro não era, nunca foi, não é, um mero funcionário discreto, irrelevante para o Governo português – pelo contrário, Alexandre Guerreiro, homem de Putin em Portugal (com o seu "pai", Boaventura Sousa Santos, um dos homens mais perigosos do mundo) está no centro das decisões políticas do governo português. 

Alexandre Guerreiro – e, portanto, o Kremlin – tem sua marca em muitas das decisões diplomáticas e de defesa de Portugal, graças ao peso que António Costa e seu grupo deram a Alexandre Guerreiro e Boaventura Sousa Santos. É uma ameaça aos direitos e liberdades dos cidadãos portugueses, e é uma vergonha indescritível para o Estado português, que o povo português, e mesmo os seus  militares, não merecem. OTAN – o mundo livre! – Não podemos ficar à mercê disto.

Há um ano, as palavras de António Costa – ou Putin, através de Alexandre Guerreiro/Boaventura Sousa Santos? – geraram o riso dos seus homólogos europeus. Outros – diplomatas, veteranos da análise da geopolítica em ambos os lados do Atlântico – preferiram permanecer atordoados e completamente sem palavras. Outros, mais sofisticados neste tipo de operação, preferem outro caminho: determinar a extensão da influência de Alexandre Guerreiro e seu grupo a serviço do Kremlin e seus aliados (principalmente o eixo China-Irão-Venezuela) no governo português, especialmente no gabinete do PM António Costa e ,especialmente em questões relacionadas com a OTAN. E tomar as medidas necessárias e ajustadas...


Traduzido de:



 

 

Nota -  não fazíamos ideia de quem era Alexandre Guerreiro, nunca ouvíramos falar, nem percebemos nada de espionagem; presumimos que seja este senhor que aparece aqui a debater com José Milhazes: 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Adolescentes emboscados por drag-queen na igreja

Dantes, nos tempos da "Guida Scarlatti", estes espectáculos chamavam-se de travesti, eram para adultos e decorriam no famoso clube...