quinta-feira, 15 de julho de 2021

Israel: problemas cardíacos pós-vacina Covid em homens jovens


Um jovem de 16 anos em Tel Aviv, Israel, recebe uma dose da vacina Pfizer-BioNtech COVID-19 em 23 de Janeiro. JACK GUEZ / AFP via Getty Images.

 

 Não deixe de ler, na nossa secção CORONAVÍRUS, post como:

Pfizer admite: "Vacinas" Covid-19 são TRETA!

 


Tal como os outros países, Israel correu a vacinar os seus cidadãos e somou contradições e erros  na forma de abordar a "pandemia". O artigo que vos trazemos hoje é um exemplo. Ignoramos se em Israel, como cá em Portugal, nos Estados Unidos e em tantos outros países, também é "pecado" questionar a forma de conter a gripe da China, e aconselhamos a leitura de:

 


 

Nem os media do Sistema podem continuar a esconder o óbvio:



Israel regista ligação entre a segunda dose da Pfizer e problemas cardíacos em homens com menos de 30 anos Israel regista ligação entre a segunda dose da Pfizer e problemas cardíacos em homens com menos de 30 anos

 

 

 
Ilustrativo: Um trabalhador de saúde israelita administra uma dose da vacina Pfizer-BioNtech Covid-19 nos Serviços de Saúde Clalit, em um ginásio na cidade israelita de Hod Hasharon, em 4 de Fevereiro de 2021. (JACK GUEZ / AFP) 


O Ministério da Saúde de Israel informou na terça-feira que há uma provável ligação entre a segunda dose da vacina Pfizer-BioNtech e dezenas de casos de miocardite, uma inflamação do músculo cardíaco, em homens com menos de 30 anos.

De acordo com o Ministério, eles descobriram que de Dezembro de 2020 até Maio de 2021, houve 275 casos de miocardite notificados em todo o país, 148 deles nas proximidades de quando o paciente recebeu a dose da vacina.

Vinte e sete casos, incluindo 11 pessoas com doenças preexistentes, foram relatados logo após a primeira dose, de 5.401.150 que receberam uma injecção. No entanto, isso aumentou para 121 casos, incluindo 60 pessoas com doenças preexistentes, de 5.049.424 dentro de 30 dias após a segunda dose.

O Ministério disse que a grande maioria dos afectados eram homens com menos de 30 anos, principalmente aqueles entre 16 e 19 anos. A maioria dos casos foi leve, com pacientes recebendo alta do hospital após quatro dias, como é comum com miocardite.

Uma morte foi associada à miocardite, mas não foi comprovada de forma conclusiva, disse o relatório.

 


Um frasco da vacina Pfizer para COVID-19 em Seattle, 24 de Janeiro de 2021. (Ted S. Warren / AP)

 

 

O relatório descobriu que a ligação entre a vacina e a miocardite diminuiu com o aumento da idade. 
 
As descobertas são significativas, com Israel decidindo expandir a campanha de vacinação para incluir pessoas com idade entre 12 e 15 anos nos próximos dias. Alguns especialistas em Saúde sugeriram dar aos jovens apenas uma injecção para evitar os efeitos colaterais da segunda dose.
 
Especialistas disseram que é improvável que as descobertas impeçam a expansão da campanha de vacinação. “Acho que eles decidirão vacinar adolescentes, mas não como acontece com os adultos, quando havia uma recomendação muito clara a favor da vacinação”, disse o Prof. Dror Mevorach, chefe de Medicina Interna do Hadassah Medical Center de Jerusalém e autor do relatório. 
“Em vez disso, eles dirão que você deve vacinar seus filhos, mas você deve saber que existe a possibilidade desse efeito colateral, deixando para os pais decidirem. Prevejo que 50% dos pais não vacinarão os filhos”, disse ele.
O grupo de segurança de vacinas do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA também está a investigar “relativamente poucos” relatos da doença em jovens adultos americanos vacinados. Acredita-se que as vacinas tenham vindo da Pfizer-BioNtech - a marca dada à maioria dos israelitas - que é aprovada nos EUA para maiores de 12 anos, e Moderna, que é aprovada para maiores de 18 anos.

 

 
A enfermeira Jennifer Reyes inocula Andres Clara, 12 anos, com a primeira dose da vacina Pfizer COVID-19 no Mount Sinai South Nassau Vaxmobile estacionado na De La Salle School, sexta-feira, 14 de Maio de 2021, em Freeport, NY (AP Photo / Mary Altaffer) 
 
 
“Não consigo imaginar que que os médicos digam que não devemos vacinar crianças”, disse Douglas Diekema, pediatra e bioeticista do Hospital Infantil de Seattle, à ScienceMag após a divulgação do relatório israelita. 
 
A decisão de Israel de vacinar os jovens é menos premente, com a pandemia quase totalmente ausente no país e quase todas as restrições retiradas. Israel teve o primeiro sabor de uma realidade pós-pandemia na terça-feira, quando a última de uma série de restrições em vigor por mais de um ano expirou no meio se uma queda contínua no número de casos. 
 
Os sistemas Green Pass e Purple Badge, que estabeleceram directrizes para quem pode entrar em locais públicos e como esses locais podem operar, expiraram a partir de 1 de Junho, o que significa que os israelitas não precisam mais de prova de vacinação ou recuperação para entrar em vários locais e limites de capacidade em lojas, restaurantes e outros locais são levantados. Agora não há limites para reuniões, dentro ou fora de casa. A maioria das empresas e escolas já voltou ao normal e a aplicação de muitos requisitos de saúde que permaneciam no papel diminuiu em grande parte. As únicas restrições importantes restantes são um mandato exigindo o uso de máscaras em ambientes fechados, o que deve ser retirado em breve, e requisitos de quarentena para pessoas não vacinadas que entrem no país.


Israelitas na praia em Tel Aviv em 22 de Maio de 2021. (Miriam Alster / FLASH90) 
 

A eliminação das restrições entra em vigor à medida que o número de casos activos caiu para apenas 356, com apenas um punhado de novos casos diários. 
Na terça-feira, apenas 15 novos casos foram registados. Isto ocorre depois de uma intensa crise de coronavírus, que viu 839.511 casos num país com pouco mais de 9 milhões de pessoas, e 6.413 mortes. 
No auge da pandemia, havia 88.000 casos activos no país, com milhares mais adicionados diariamente, e 1.228 casos graves. A reversão das restrições foi amplamente possibilitada pela campanha de vacinação líder mundial do país. Mais de 70 por cento das pessoas em Israel com 20 anos ou mais receberam duas doses da vacina contra o coronavírus, e espera-se que o governo aprove a vacinação de adolescentes de até 12 anos nos próximos dias. No entanto, 46 ​​pacientes com o vírus permanecem em estado grave, 32 deles em ventiladores, segundo dados do Ministério da Saúde publicados na tarde desta terça-feira. Esse número caiu de mais de 100 pacientes gravemente enfermos no início de Maio, e mais de 1.200 em Janeiro, no auge da terceira onda de infecções em Israel. 
Nathan Jeffay contribuiu para este artigo.

 

Traduzido de

 




ENTRETANTO...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Felipe Neto recomenda SODOMIA

  Olavo de Carvalho avisou - é atrás das crianças que eles andam! Felipe Neto, o ídolo da juventude, o queridinho do Sistema, o modelo para ...