sexta-feira, 3 de abril de 2020

Goldman Sachs e Rotschild: pequenos bancos, grandes bodes expiatórios



Os antissemitas atribuem TUDO de mau que acontece no mundo, aos judeus, obviamente. E o coronavírus não poderia ser excepção. Para ajudar a dar credibilidade às teorias da comspiração, os nomes Goldman Sachs e Rotschild evocam logo Everestes de ouro e judeus sanguinárias a fumar charuto e fazer ski sobre infindáveis colinas de dinheiro.
Um "pequeno pormenor" desta conspiração é que esses ditos "potentados bancários" são apenas pequenos bancos. Mas para bom antissemita,  meio Goldman Sachs ou Rotschild bastam!


O Tio Patinhas não é Goldman Sachs nem Rotschild.

Boris Le Lay, é dos mais entusiastas conspiradores que atribuem aos judeus a responsabilidade pela pandemia do Covid 19.
Não consegue demonstrá-lo, é claro, porque não há nada para demonstrar, mas os antissemitas também atribuem aos judeus a responsabilidade por terramotos, tsunamis, cheias, secas, epidemias, guerras, terrorismo, pornografia, roubos, assaltos, declínio das civilizações, arte abstracta, cárie dentária, tubarões que atacam pessoas, excesso de gás na Coca-Cola (1) e desaparecimentos de sapatos (2) - entre muitas outras calamidades!!!

 Confira:

(1) Sabia que "os judeus aumentam o gás da Coca-Cola no Ramadão"?

(2) "Os sionistas roubaram-me o sapato!"


O antissemita Boris Le Lay. 


O "raciocínio" de Le Lay é tão estúpido como qualquer raciocínio antissemita, partindo de premissas falsas para chegar a conclusões erradas. Mas para o público a quem ele se dirige, a verdade não conta.
Já há muitos anos que este blogue demonstra que os "bancos judeus" são dos de mais modesta dimensão no mundo. Habitualmente nem gastamos muita energia com estes temas, pois sabemos que o antissemitismo é uma doença mental incurável. Só traduzimos este  artigo porque foca uma ideia errada e muito instrumentalizada: a que atribui super-poderes e super-fortunas aos banqueiros judeus.


A IFJC ajuda judeus pobres em Israel.


Nota: Não só nem todos os judeus são ricos, como a maior parte deles até é pobre. A IFJC (Parceria Internacional de Cristãos e Judeus) dedica-se a prestar auxílio a judeus muito pobres, em Israel, grande parte deles sobreviventes do Holocausto.
Todos os países têm pobres, mas quando os pobres são judeus é mais difícil angariar fundos para os alimentar, tratar e abrigar, pois a percepção social é de que os judeus são todos riquíssimos. Assim, não choca ninguém que, digamos, a Cáritas, ajude os pobres. Mas quem é que dá um tostão para ajudar judeus? "Esses gajos? Mas eles são todos ricos! Eles que ajudem!".

Para o anti-semita Boris Le Lay, "é seguro" que o coronavírus é uma conspiração dos banqueiros judeus ... e que Xi Jinping, Trump, Macron, Merkel, Boris Johnson, estão todos a soldo dos banqueiros judeus!
O antissemita Boris Le Lay, condenado em várias ocasiões e refugiado no Japão, acaba de transmitir nas redes sociais um vídeo que se tornou viral, onde analisa as causas da pandemia e, obviamente, para ele, "com toda a certeza" que a culpa é dos banqueiros judeus de Nova Iorque!
O blogger antissemita que afirma ser "bretão" é bem conhecido pelo sistema de justiça. Com mais de uma dúzia de condenações por "insultos públicos e raciais", "incitação ao ódio" e "ameaças de morte", ele tem antecedentes criminais, para dizer o mínimo. Boris Le Lay, que está em fuga há vários anos, escapou da Justiça, apesar de um mandato de prisão internacional emitido contra ele.

Nota do Tradutor: Há-se reparar, caro leitor, que TODOS os antissemitas são tipos anti-sociais, deliquentes e criminosos. Veja por exemplo o caso do assassino Mário Machado, que entre outras tropelias se dedicou já a matar "pretos" a pontapé na cabeça e a raptar e torturar toxicodependentes para extorquir dinheiro.


Segundo o jornal Le Monde, ele agora é suspeito de ser o administrador do site DemocratieParticipative, que se orgulha de ser "o mais lido pelos jovens brancos desinibidos". O site é abertamente racista, antissemita, anti-muçulmano e homofóbico.
As afirmações de Le Lay para acusar os judeus são baseadas em algumas verdades bem escolhidas, que ele pretende serem a "prova" das suas teses enevoadas. Neste novo vídeo, ele inicia a sua demonstração questionando habilmente as projecções do epidemiologista Neil Ferguson, aquele que influenciou Macron e as suas decisões.

De facto, as projecções de Neil Ferguson eram falsas porque baseadas nos primeiros dados chineses. Daí, Le Lay deduz que toda a pandemia é falsa e que é apenas uma grande gripe que não mata muito mais.
Para Le Lay, a única motivação real por trás deste confinamento praticamente planetário é permitir que os banqueiros judeus de Nova Iorque enriqueçam!
Segundo Le Lay, todos os líderes do mundo, portanto, se uniram para enriquecer os banqueiros judeus de Nova Iorque: Ninguém antes dele tinha pensado nisso! Onde tínhamos nós a cabeça? É claro que o confinamento só pode ser para os "banqueiros judeus de Nova Iorque" enriquecerem!

Nota do Tradutor: Temos centenas de postagens que demonstram como todos esses líderes que  Le Lay diz estarem a soldo dos judeus, são irredutíveis inimigos de Israel, antissemitas, aliados (e muitas vezes pagos) pelos países muçulmanos. A ONU; a União Europeia, a generalidade dos países, apoiam e financiam os terroristas islâmicos que combatem Israel e matam judeus. Veja, por exemplo:

Políticos COMPRADO$ pelo Islão (e baratinho!!!)


Obviamente, tudo isto está errado: a Bolsa de Valores de Nova Iorque, como todos os outros mercados de acções, teve uma recuperação dramática após o anúncio de planos massivos para apoiar a economia nos Estados Unidos e na Alemanha. O CAC 40 recuperou 18% em cinco sessões. O índice de Paris caiu mais de 25% desde o início do ano.

Em Londres, Nova Iorque, Berlim, as mesmas recuperações foram observadas, mas não compensaram as quedas desde o início do ano. (Fonte Les Echos)

No entanto, Le Lay evoca, claro, apenas "banqueiros judeus de Nova Iorque" ... e banqueiros de Paris, Londres e Berlim que ganharam entre 18 e 20% em cinco dias? Eles não são judeus! Que pena ...

E as decisões dos líderes mundiais: Xi Jinping, Macron, Trump, Johnson, Merkel, etc.? Tudo a serviço do "judaísmo" bancário? Teriam recebido ordens dos banqueiros judeus de Nova Iorque para decidirem confinar mais de metade do planeta!


E os 1,3 biliões de chineses? Também estão ao serviço da trama bancária judaica?

A propósito, e se os considerássemos os maiores bancos judeus americanos?


Aqui está o ranking dos maiores bancos americanos, nenhum dos quais é de propriedade dos judeus:


Mais estatísticas no site Statista.

Nenhum banco "judeu" no ranking dos maiores bancos mundiais, nem o Goldman Sachs ou o Rotschild têm dimensão para sequer figurar nos rankings... mas, visto que é o Boris Le Lay que diz, só podemos acreditar.


E sabe porquê? Porque a pior parte dos usuários irracionais da Internet distribuem este vídeo, por mais abjecto, ridículo e estúpido que seja. Mas existem sempre milhares de ovelhas sem cérebro para espalhar este tipo de teses cheias de ódio.
 
Não lhes faremos o favor de colocar o vídeo neste artigo.

Apostamos que um dia em que ele não esperar, acreditando estar seguro no Japão, longe das preocupações dos franceses, alguém o fará pagar pelas suas ilusões cheias de ódio ... Parece que a vingança é comida fria.

© Brigitte Finkelstein - Notícias Europa-Israel


https://www.europe-israel.org/2020/04/pour-lantisemite-boris-le-lay-cest-sur-le-coronavirus-cest-un-complot-des-banquiers-juifs-xi-jinping-trump-macron-merkel-johnson-tous-a-la-solde-des-banquiers-juifs/

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Adolescentes emboscados por drag-queen na igreja

Dantes, nos tempos da "Guida Scarlatti", estes espectáculos chamavam-se de travesti, eram para adultos e decorriam no famoso clube...