segunda-feira, 5 de outubro de 2020

Black Lives Matter pretendem extinguir a Família

Há muito que temos vindo a chamar atenção para isto. O BLM é mais um braço armado do Marxismo Cultural, mas uma força terrorista ao serviço da extrema-esquerda e da islamização, procurando destruir o Mundo Livre:
Opinião: O objectivo do Black Lives Matter de "desorganizar" a família nuclear  serve o objectivo Marxista de um século e meio

“Somos marxistas treinados. Somos super versados em teorias ideológicas”, disse Patrisse Cullors, uma das fundadoras da Black Lives Matter.

 


 Por Jon Miltimore, FEE

A organização Black Lives Matter removeu do seu site uma página que incluía a condenação da "estrutura familiar nuclear prescrita pelo Ocidente" nos Estados Unidos. 

A página, intitulada “Em que acreditamos”, incluía várias posições de políticas públicas não relacionadas com a brutalidade policial e com a reforma policial. O Washington Examiner descobriu na segunda-feira que a página havia sido removida.


"Página não encontrada. Desculpe, mas a página que você estava a tentar visualizar não existe”, diz agora a página.

 

 

A Wayback Machine arquivou a página, no entanto, e ela contém uma longa descrição dos princípios e objectivos da organização. Entre as opiniões expressas está o desejo de “perturbar” a estrutura familiar tradicional.

“Nós queremos destruir o requisito da estrutura familiar nuclear prescrito pelo Ocidente, apoiando uns aos outros como famílias extensas e ‘vilarejos’ que colectivamente cuidam uns dos outros, especialmente dos nossos filhos, de modo que mães, pais e filhos se sintam confortáveis.”

O BLM não respondeu ao pedido de comentário do artigo, por isso não está claro se a página foi deliberadamente removida.

Seja qual for o caso, o endosso do BLM a esta linguagem não deve causar surpresa. Como Brad Polumbo mostrou, existem efectivamente dois fenómenos Black Lives Matter: a organização Black Lives Matter ™ ️ e o “Black Lives Matter” como um movimento informal.

O último envolve pessoas que lutam de boa fé pela reforma da Polícia e que acreditam que os afro-americanos sofrem desproporcionalmente com a violência policial

 


- Nota do Tradutor: já demonstrámos que a Polícia norte-americana não só não trata mal os Negros, como esse é até o grupo contra o qual mais hesita em usar a força.

O primeiro, Black Lives Matter ™ ️, é uma organização co-fundada por Patrisse Cullors, Alicia Garza e Opal Tometi que tem raízes no Marxismo.

“Na verdade, temos uma estrutura ideológica”, disse Cullors sobre a sua organização em 2015. “Somos marxistas treinados. Somos super versados ​​em teorias ideológicas. ”

 

Como indiquei num artigo de 2017, Karl Marx estava interessado em abolir muito mais do que apenas a propriedade privada. No Manifesto Comunista, Marx e o seu associado Frederick Engels defendem as tentativas dos comunistas de abolir a família tradicional.

“Abolição [Aufhebung] da família! Mesmo os mais radicais explodem com essa proposta infame dos comunistas”, escreveu Marx. “Qual o fundamento da família actual, a família burguesa? No capital, no ganho privado. Na sua forma completamente desenvolvida, esta família existe apenas entre a burguesia.”

Marx e Engels compararam a família nuclear à prostituição pública, antes de explicar por que era natural e desejável que a instituição "desaparecesse".

 

Marx e Engels
 
 “A família burguesa irá desaparecer naturalmente quando o seu complemento desaparecer, e ambos irão desaparecer com o desaparecimento do Capital”, escreveram Marx e Engels. “A tagarelice burguesa sobre a família e a educação, sobre a consagrada co-relação entre pais e filhos, torna-se tanto mais repugnante, quanto mais, pela acção da Indústria Moderna, todos os laços familiares entre os proletários se despedaçam, e os seus filhos são transformados em simples artigos de comércio e instrumentos de trabalho.” 
De onde vem essa hostilidade à família? Marx e Engels deram pistas:
“A família moderna contém em germe não só a escravidão (servitus), mas também a servidão, pois desde o início está relacionada aos serviços agrícolas”, escreveu Engels em A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado, citando Marx. “Ela contém em miniatura todas as contradições que mais tarde se estendem por toda a sociedade e o Estado.”
A hostilidade à família tradicional não morreu com Marx e Engels, no entanto. Um dos primeiros passos que os bolcheviques deram após tomar o poder foi começar uma luta de décadas para abolir o casamento e enfraquecer a família tradicional.

“A questão era tão central para o programa revolucionário que os bolcheviques publicaram decretos estabelecendo o casamento civil e o divórcio logo após a Revolução de Outubro, em Dezembro de 1917”, escreve a historiadora de Harvard Lauren Kaminsky. “Essas primeiras etapas visavam substituir as leis familiares da Rússia por uma nova estrutura legal que encorajasse relações sexuais e sociais mais igualitárias.”
Um artigo de 1926 do The Atlantic, escrito por uma mulher que vivia na Rússia na época, descreve esses esforços em detalhes. O termo "filhos ilegítimos" foi abolido e foi aprovada uma lei que permitia que os casais se divorciassem em "questão de minutos". A legislação foi introduzida para eliminar as distinções entre esposas e amantes legais, incluindo a concessão de direitos de propriedade aos consortes solteiros. 
“O resultado foi o caos”, escreveu a russa. “Os homens começaram a mudar de esposa com o mesmo entusiasmo que demonstravam no consumo da vodka a quarenta por cento, recentemente autorizada.”

 

 Mao-Tse-Tung

 

Cerca de meio século depois, o Partido Comunista Chinês introduziu uma versão diferente de orquestração familiar imposta pelo Estado. É a “política do filho único” (1979–2015), a política de planeamento populacional mais extrema da História mundial, que impôs limites ao número de filhos que as famílias chinesas poderiam ter.

Décadas antes de a política entrar em vigor, o presidente do partido, Mao Zedong (1893–1976), explicou porque era necessário que o Estado administrasse a procriação familiar e a força de trabalho.

“A (re) produção precisa ser planeada. Na minha opinião, a Humanidade é completamente incapaz de se controlar”, disse Mao. “Tem planos para a produção em fábricas, para a produção de tecidos, mesas e cadeiras e aço, mas não há planos para a produção de humanos. Isso é anarquismo - sem governo, sem organização e sem regras. ”

Mesmo hoje, a aversão à família tradicional permanece forte nos socialistas. Um artigo de 2019 no The Nation intitulado “Quer Desmantelar o Capitalismo? Trate de Abolir a Família!” oferece um vislumbre da crítica socialista moderna da instituição:

“Sabemos que a casa privada nuclear é onde a esmagadora maioria dos abusos pode acontecer”, explica a autora Sophie Lewis. “E então há toda a questão de para que serve: para nos treinar para sermos trabalhadores, para nos treinar para sermos habitantes de um sistema estratificado racialmente e de género binário, para nos treinar para não sermos homossexuais.”

Para os verdadeiros crentes do colectivismo, há poucas dúvidas de que assuntos familiares privados também são assuntos de Estado.

O socialismo requer controle colectivo dos recursos, e os humanos são o recurso final. É por isso que a família nuclear tradicional, que coloca a autoridade nas mãos dos pais em vez de na comunidade, é uma afronta para tantos socialistas.

O estudioso Robert Nisbet explicou que a família é um dos três pilares de autoridade fora do Estado, juntamente com a Igreja e as organizações cívicas. Todas as três instituições oferecem aos humanos algo essencial para a experiência humana: a comunidade.

Nisbet acreditava que os três pilares servem como controles importantes no poder político centralizado, razão pela qual Nisbet via o declínio da Família, da Igreja e das organizações cívicas na América como um mau presságio para a Liberdade. 

Robert Nisbet

 

“… A busca pela comunidade é um impulso que vem da natureza humana. Todos anseiam por participação e por um sentimento de pertença a uma causa ou corpo maior do que a única pessoa”, escreveu Nisbet em The Quest for Community: A Study in the Ethics and Order of Freedom (1953).

“Se o desejo de comunidade não pode ser atendido na igreja, na família, na vizinhança ou na localidade, então será atendido pelo Estado central.”

Não está claro porque é que o Black Lives Matter ™ ️ eliminou as declarações contra a família nuclear do seu site. O que está claro, no entanto, é que o seu objectivo anteriormente declarado de "romper a estrutura familiar nuclear prescrita pelo Ocidente" se encaixa no paradigma marxista que remonta a um século e meio.

Talvez a página removida reflicta uma mudança de opinião. Por outro lado, pode ser simplesmente uma táctica para esconder as suas raízes marxistas. Como Dan Sanchez e eu escrevemos em artigo recente da FEE, nas últimas décadas os fornecedores do socialismo mostraram uma tendência a evitar o rótulo marxista, mesmo quando abraçavam os seus ideais.

“Há muitas pessoas que não querem intitular-se marxistas”, disse Eugene D. Genovese, um eminente académico marxista, ao The New York Times num artigo de 1989 sobre a disseminação do marxismo nas universidades dos EUA.

Não sabemos ao certo porque é que muitos indivíduos e grupos que defendem doutrinas enraizadas no marxismo tendem a rejeitar o rótulo marxista - a confissão de Cullors de que ela e Garza são "marxistas treinados" em 2015 parece um erro de franqueza - mas parece revelar uma verdade básica observada pelo escritor Upton Sinclair:

“O povo americano aceitará o socialismo, mas não o rótulo”, observou Sinclair em correspondência privada de 1951 com o seu colega socialista Norman Thomas.

Muitas pessoas e organizações de boa fé apoiam o movimento no que toca ao valor das vidas negras porque acreditam que todas as pessoas merecem tratamento igual e o devido processo perante a Lei.

Mas os americanos devem ter cuidado para não confundir o movimento mais amplo da questão das vidas negras com a Black Lives Matter ™ ️, uma organização cujos objectivos podem ser contrários à liberdade e à família - mesmo que não já não o digam.

 

Traduzido de:

 

Cá em Portugal, como em cada país do Mundo Livre, a extrema-esquerda está a usar o ambientalismo, o animalismo, os direitos das mulheres, os direitos dos homossexuais, o anti-racismo e tantas outras causas que na essência são justas, como Cavalos de Tróia para provocar a sua tão querida "luta de classes". 
Nos países comunistas e islâmicos (que a extrema-esquerda também idolatra) todas essas causas são tabu e a liberdade de opinião e de manifestação, não existe (nem qualquer outra liberdade). Mas no Mundo Livre, nas sociedades mais prósperas e livres que a Humanidade já produziu, a extrema-esquerda só vê defeitos e  quer acabar com tudo. 
O inefável Mamadou Ba, que por ser Negro é inatacável, propõe abertamente que a extrema-esquerda invente novas causas para a "luta" e prescreve "porrada" para quem não concorda - não perca estes três posts em que sistematizámos a estratégia dos mamadous para provocar a guerra civil e chegar assim ao poder:

 

Caso Jamaica: Bloco de Esquerda quer Portugal a arder

A Intifada da Margem Sul

O Caso Giovani e a Guerra Racial dos Mamadous


É ele, o racista comunista senegalês Mamadou (possivelmente islamista), que o afirma, sem rodeios (o vídeo está a ser retirado pela suja corja extrema-esquerdista que domina os gigantes da Internet):

 

A guerra civil a pretexto de um INEXISTENTE racismo policial já se passa, diariamente, cá em Portugal:


Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

Suspendemos aqui as postagens regulares

  A todos os excelentes amigos e fiéis leitores, que sempre nos honraram com o seu apoio, o nosso MUITO OBRIGADO!